Record

Assinatura Digital Premium Saiba mais

Desalinhado

Joaquim Evangelista
Joaquim Evangelista Presidente da direção do SJPF

As loucuras do mercado

Este verão fica indiscutivelmente marcado pela transferência multimilionária de Neymar para o Paris Saint-Germain. Longas discussões têm sido mantidas sobre os limites do sistema e a necessidade de salvaguardar os interesses dos clubes, ‘desarmados’ por questões financeiras e, assim, privados das suas estrelas.

Sobre Neymar apenas um comentário na ótica do jogador. Exerceu a sua liberdade trabalho, seja pela melhoria das condições contratuais, por razões desportivas ou quaisquer outras que estejam na base da decisão, funcionou o atual sistema de transferências. É justamente sobre o atual sistema de transferências da FIFA que deve recair a análise. Em 2015, a FIFPro apresentou uma queixa na Comissão Europeia exigindo o escrutínio deste sistema. Fê-lo por convicção dos malefícios para os direitos do jogador enquanto trabalhador no espaço europeu, mas também das assimetrias geradas entre clubes ‘ricos’ e ‘pobres’ e inerentes prejuízos para a competição.

Os milionários prémios de transferência e os negócios que gravitam à volta das famosas transferências geram uma riqueza que não é redistribuída no desenvolvimento da modalidade e na garantia da competitividade entre os clubes. O futebol ficou refém dos milhões que gera e infelizmente tem corporizado interesses alheios ao desenvolvimento da própria modalidade.
Apesar da ‘mercantilização’ do sistema há espaço para mudanças. O desporto enquanto setor de atividade tem de assegurar a criação de condições laborais dignas para todos os praticantes, garantir a igualdade entre os competidores e promover a verdade desportiva. No futebol o caminho não deve passar por criar novos entraves à mobilidade dos atletas.

Por último, os meus parabéns aos atletas portugueses presentes nos mundiais de atletismo e, em especial, aos medalhados Nelson Évora e Inês Henriques.
Deixe o seu comentário
M M