Record

Assinatura Digital Premium Saiba mais

Clube dos Pensadores

Joaquim Jorge
Joaquim Jorge Fundador do Clube dos Pensadores

US Open

Novak Djokovic esteve imparável, venceu Del Potro na final com os parciais 6-3, 7-6(4) y 6-3. Novak Djokovic voltou, depois da sua lesão, com a mesma ambição e mentalidade ganhadora. Já está em 3.ºlugar na classificação ATP, somente atrás de Federer e Nadal, passados 17 meses da sua lesão no cotovelo direito, mas com certeza vai tentar chegar ao topo mundial.

Todavia este U.S. OPEN ficou marcado pela deselegância de Serena Williams, que perdeu sem apelo nem agravo, contra uma menina japonesa de 20 anos de nome Naomi Osaka. Serena esteve mal, na forma despropositada e mal-educada com que se referiu ao árbitro português Carlos Ramos, por isso, merecia ser chamada à razão pela organização do U.S. OPEN.

A Serena Williams lá por estar a jogar em sua casa, nos EUA não pode fazer o que quer e lhe apetece! Já nos chega Donald Trump, agora esta menina passou-se completamente e atestou a sua ira sobre o árbitro português que se limitou a cumprir o regulamento.

Carlos Ramos cumpriu estritamente o que diz o regulamento quando sancionou Serena Williams com a retirada de um ponto, depois de duas advertências e a seguir ela não se conteve chamando-lhe ladrão. Serena foi sancionada com um jogo por violação do código de conduta.

O ténis é um desporto elegante, cordial e frequentado por jogadores que se respeitam e não se pode tornar como um jogo de futebol com péssimos exemplos e imagens não recomendáveis.

Gosto muito mais da sua irmã Venus Williams, mas desde que lhe diagnosticaram o síndrome de Sjörgren e o avanço da idade tiraram-lhe fulgor de outros tempos. O seu pai, Richard Williams procedia de forma muito diferente, quando as coisas não estavam a correr bem, saía do corte em sinal de protesto, dava nas vistas, mas de outra forma.

Serena Williams torna-se irrascível quando perde, mas a culpa não foi do árbitro foi da menina prodígio Naomi Osaka, nascida em Osaka, que foi a primeira japonesa a vencer um torneio de Grand Slam

Serena acusou Carlos Ramos por perseguição por ser mulher e Carlos Ramos não recebeu o troféu de presença na final por ser português, de um país pequeno, periférico e sem expressão no ténis. Serena Williams perdeu porque Naomi Osaka foi melhor. Ponto final!

Carlos Ramos é um dos melhores árbitros do mundo, a organização do torneio deu-lhe razão, mas não lhe deu o troféu da sua presença na final. Esquisito! Dá-se razão e depois recua-se. Os americanos são assim, julgam-se os maiores.

Estes americanos são muito sui generis, sempre acharam os europeus e principalmente os países do sul da Europa de segunda e pobrezinhos.

Mas estão enganados, Portugal é um país que vai a caminho de 1.000 anos (nasceu em 1.128), com uma história que suplanta totalmente um país que tem pouco mais de 200 anos.

Serena Williams mostrou mau perder, mas perdeu muito bem com Naomi Osaka, a nova campeã do U.S. OPEN. O resto não passará de uma atitude inqualificável , de uma menina caprichosa que pensava que estava no recreio e que o senhor professor, neste caso, o árbitro tivesse medo dela e vergasse aos seus intentos , mas enganou-se em Portugal há gente de fibra. Carlos Ramos encheu-me de orgulho pela sua postura, sem cedências e com muita personalidade, seguro do que estava a fazer.

Uma das medidas dos juízes, em solidariedade para com Carlos Ramos, estão a pensar não apitar partidas com Serena Williams a menos que se desculpe publicamente.

Agora vamos esperar pelo ATP World Tour Finals em Londres em que se defrontaram os 8 melhores tenistas segundo a classificação ATP.

Fundador do Clube dos Pensadores
*escrevo ao abrigo do antigo AO

Deixe o seu comentário
M M