À minha maneira

José Manuel Freitas

José Manuel Freitas

José Manuel Freitas

Simplesmente Rooooonaldo!

Podem os adeptos merengues criticá-lo quando já não consegue tantos golos como num passado recente. Pode Sérgio Ramos querer ser mais importante do que ele no balneário e na história do próprio clube – só se for em expulsões. Pode Florentino Pérez não estar disposto a dar-lhe o vencimento compatível com o de melhor jogador mundial e ao nível de outros enormes futebolistas, como Messi ou Neymar. Uma coisa é certa, porém, e cá estaremos para assistir de pé, eventualmente a seu lado: a história do Real Madrid confunde-se com a de Cristiano Ronaldo – pelo respeito que me merece ‘Don’ Alfredo Di Stéfano coloco-os no mesmo patamar – e só lhe será feita justiça no dia em que disser adeus ao Bernabéu. Pelo meio, porque na verdade estou a referir-me ao melhor futebolista da atualidade, pese embora não passe por bom momento, CR7 conquistou ontem, naquela que é para mim, depois de Lisboa, a cidade mais bonita do Mundo, Paris, a quinta Bola de Ouro e igualou o outro génio deste mundo fantástico, Messi. E a partir daqui? Só depende de Ronaldo. Está com 32 anos, há coisas que não faz como fazia, mas também as há que faz agora e nunca fez anteriormente. Portanto, em 2018, quando chegar a hora de novas ‘eleições’, ele estará, seguramente, na linha da frente e depois se verá.

Sérgio ‘champion’ e Fonseca ‘Zorro’ juntam-se a José Mourinho como os técnicos lusos na fase seguinte da LC. Sim, sendo verdade que o MU está em vantagem, o treinador portista e o FC Porto merecem todas as honras, confirmando-se como a melhor equipa portuguesa do presente.

07.12.2017
M M