O desafio de Bas Dost

Bas Dost está, nesta temporada, a envolver-se na mesma luta que há um ano Jonas travou de forma inglória: tentar vencer a Bota de Ouro, troféu para o melhor marcador dos campeonatos da Europa. O holandês do Sporting segue na segunda posição com a magnífica média de um golo por jogo (falhou as três primeiras jornadas) e se conseguir continuar nesse ritmo fechará a temporada com os mesmos 31 golos que o brasileiro do Benfica somou em 2015/16. Há um ano esse número valeu a Jonas apenas a quarta posição, atrás de Luis Suárez (40), Higuaín (36) e Ronaldo (35).

Neste momento a tabela é liderada por Messi (23 golos), a quem faltam 11 jogos, contra os nove de Dost, se não falhar nenhum. Mas, por exemplo, a Ronaldo (19 golos) faltam 12 jogos e ao restante pelotão que segue atrás do avançado leonino restam ainda 10 jogos (11 para Suárez), ou seja, é ele quem vai ter menos oportunidades para acumular pontos. Sim, a Bota de Ouro é ganha aos pontos e não pelo número total de golos, daí Cavani (27 golos) estar em clara desvantagem, tal como Ibrahimovic esteve há um ano, também no PSG, onde os 38 golos lhe valeram somente o 6º lugar porque um golo em França vale 1,5 pontos e não 2 como em Inglaterra, Espanha, Itália, Alemanha e Portugal.

E a questão dos pontos é crucial para explicar isto: a Liga portuguesa terá esta época a derradeira chance para vencer este troféu, pelo menos nos próximos anos, porque em 2017/18 Portugal partirá da 7ª posição do ranking UEFA, logo cada golo marcado por cá passará a valer o tal ponto e meio, o que praticamente retira a um artilheiro da nossa Liga a possibilidade de ser o melhor entre os melhores.

Seja como for, aquilo que Bas Dost está a fazer neste momento merece todo o destaque: mostra capacidade para ‘brincar’ numa espécie de ‘parque de diversões privado’ que pertence a Lionel Messi e Cristiano Ronaldo. Estes dois, em nove anos, só permitiram duas intromissões, a Diego Forlán e a Luis Suárez. O Sporting, de forma oficial (pela voz do treinador) , já colocou como prioridade até maio ajudar o avançado holandês a entrar nesta história que não conhece um vencedor verde e branco desde Jardel (2001/02).

16.03.2017
M M