Floresta de Pernas

Leonor Pinhão

Leonor Pinhão

Jornalista
Leonor Pinhão

Vender e ficar contente

O campeão voltou para o seu primeiro joguinho da pré-temporada depois de duas semanas de trabalhos no Seixal. O campeão apresentou-se num campo suíço e venceu tranquilamente o Neuchâtel Xamax por duas bolas a zero. O resultado tal como a exibição, a exibição possível nesta fase mais do que prematura, terão agradado ao público benfiquista sem causar, no entanto, qualquer espécie de sobrexcitação no que respeita às expectativas para 2017/2018.

O campeão voltou mas vamos com calma até porque o campeão que voltou não é o mesmo que se viu festejado num sábado de Maio por todas as rotundas do país e, uma semana depois, no Vale do Jamor num final de tarde chuvoso e alegre. Entretanto já saíram, a peso de ouro, o guarda-redes, o lateral direito e um central. Se isto é para continuar – e é – ainda vão sair mais um central, mais um defesa-esquerdo, mais um médio ou dois e ainda uns quantos alas e mais um ou dois pontas-de-lança. O Benfica também é "uma casa portuguesa com certeza", como a que rezava uma velha canção. "A alegria da pobreza é esta grande riqueza de dar e ficar contente…", lembram-se? No caso em apreço é só substituir "dar e ficar contente" por "vender e ficar contente" e logo se nos apresenta, sem distorção, o retrato fiel da realidade financeira dos nossos clubes de primeiríssima água.

Haja alegria! Desde que se mantenham o bruxo, o Fejsa e o Jonas não é de crer que o desmembrar da equipa que foi tetracampeã afete o espírito indomável da nação benfiquista. Mas importante mesmo é não perder o sérvio, que já vai no seu 9.º título internacional consecutivo, e o grisalho Jonas, esse artista fabuloso que é o nosso Sol da Primavera, ou não é?

Por tudo isto, o jogo na Suíça, para os adeptos benfiquistas, não passou disso mesmo: um jogo na Suíça com suíços que terminou em vitória e simpática invasão de campo. Porém, para os adversários internos do Benfica o desafio com o Xamax foi um escândalo, o primeiro da temporada a anunciar todos os que se avizinham mantendo-se este infame estado das coisas. Vejam bem: no 2.º minuto de jogo, o árbitro, um suíço infecto, anulou um golo ao Xamax. Não é que o jogador que fez chegar a bola ao fundo das redes à guarda de Júlio César não estivesse em posição irregular mas, com franqueza, sendo todo o lance de desenho milimétrico bem poderia o fiscal-de-linha não ter dado pelo adiantamento do fulano.

Como se esta atrocidade não bastasse, o mesmo árbitro decidiu no minuto seguinte, o 3.º minuto do jogo, apontar para a marca de penálti quando viu o guarda-redes do Xamax abalroar o velho Jonas. Não é que não tenha havido falta para castigo máximo. Mas, com franqueza, haveria necessidade de vir um sacana de um árbitro suíço fazer cumprir a Lei só pelo prazer de oferecer a Jonas a autoria do primeiro golo do Benfica no curso de 2017/2018?

14.07.2017
M M