Saída de campo

Nuno Farinha

Nuno Farinha

Diretor adjunto
Nuno Farinha

A equipa do sintético

A necessidade de gerir o ‘perigo amarelo’ é uma das principais questões do jogo de hoje. Faz sentido, na realidade, pesar todos os prós e contras da utilização dos jogadores que estão ‘tapados’ e que não podem ver qualquer amarelo, sob pena de falharem o duelo com a Suíça, na 3.ª feira.

Vamos por partes: dos 6 jogadores que estão em risco, quantos são verdadeiramente imprescindíveis para Fernando Santos? Apenas um: Cristiano Ronaldo. Se não houver Cédric, há Nélson Semedo. Se não houver José Fonte, há Bruno Alves. Não havendo André Gomes, haverá Renato Sanches. E sem Gelson e/ou Quaresma, haverá Bernardo Silva e/ou Guedes. Ou seja, apenas Ronaldo não se substitui sem perda de rendimento.

A conclusão a tirar é que não vale a pena dar muitas voltas à cabeça. Ronaldo é o único que deve ser reservado, desde já, para a ‘final’ com a Suíça. A partir desta questão, o melhor onze a fazer para o jogo de hoje deve ser definido, isso sim, em função da adaptabilidade de cada um dos nossos jogadores ao relvado sintético que vamos encontrar. Nesse sentido, eu não dispensaria três: Moutinho, João Mário e Bernardo Silva.

Oxalá o 6-0 com que Portugal venceu no jogo da 1.ª volta não crie uma sensação de ilusão. No Estádio de Andorra La Vella será diferente.

07.10.2017
M M