Record

Interrogatório

Nuno Farinha
Nuno Farinha Diretor adjunto

Benfica caiu da excelência para a vulgaridade

O erro de Cervi que originou o 1-1 justifica a quebra a pique do Benfica?

Não deveria justificar, mas a chave da eliminação esteve mesmo aí. Porque o Benfica fez uma excelente 1.ª parte (os melhores 45 minutos da época) e nada fazia prever o que se viu após o golo do empate do Rio Ave. Passou-se de uma nota muito alta para a vulgaridade do jogo direto e de soluções mais básicas. E tudo começou, de facto, nessa infantilidade de Cervi.

O penálti desperdiçado por Jonas e a lesão de Luisão, que obrigou o Benfica a jogar com 10 no prolongamento, influenciaram o estado de espírito da equipa?

O penálti, não. Porque a equipa até conseguiu fazer o 2-2 logo a seguir. A lesão de Luisão, sim, foi um golpe demasiado forte. E irrecuperável.

O comportamento tático da equipa no prolongamento foi o mais adequado?

Não, mas já não havia nada a fazer. Após as substituições (e também após a lesão de Luisão), o Benfica ficou a jogar com Salvio e Zivkovic como laterais (!) e André Almeida como central (!). Um médio para construir (Krovinovic) e ainda Seferovic e Jiménez como alas (!). Alguma vez a equipa terá treinado isto?

O Rio Ave, mesmo vencendo, teve menos bola do que é habitual. Por quê?

Por que o 4x3x3 do Benfica também tem um excelente comportamento com bola. Nada disso belisca, no entanto, a qualidade do trabalho de Miguel Cardoso. Fantástico!
1
Deixe o seu comentário
M M