Entrada em campo

Nuno Farinha

Nuno Farinha

Diretor adjunto
Nuno Farinha

Jardim candidato a homem do ano

Agora é oficial: Leonardo Jardim ganhou o direito a ser considerado uma das principais figuras desta Liga dos Campeões ao conquistar, com inteira justiça, a vaga numa das meias-finais que agora irá discutir com um dos seguintes adversários: Zidane (Real Madrid), Allegri (Juventus) ou Simeone (At. Madrid). Os méritos do treinador madeirense são cada vez mais indiscutíveis, não apenas por ter elevado o Monaco a este patamar que se julgava impensável, mas sobretudo pela qualidade futebolística que continua a exibir. Que maravilha!

A marca do trabalho de Leonardo Jardim está – só pode estar! – a espantar os gigantes europeus. É impossível que o percurso do Monaco não esteja a ser analisado à lupa. A linha de evolução do projeto é, de facto, uma delícia: o aparecimento de fenómenos como Mbappé (18 anos) ou Lemar (21); a explosão de Mendy (22); a confirmação de dois espantosos jogadores como Bakayoko (22) e Fabinho (23); a genialidade de Bernardo Silva (22); o eterno fôlego de João Moutinho (30); e a inacreditável recuperação de Falcão (31). É esta combinação de casos bem sucedidos que está a tornar o Monaco num intrigante e até fascinante caso de estudo.

Apenas três treinadores portugueses tinham conseguido, até ontem, atingir a meia-final da mais importante prova de clubes: Artur Jorge, Toni e José Mourinho. Na atual versão da Champions, porém, só Mourinho havia conseguido chegar a esta fase. Jardim junta-se a este restrito leque e de certeza que não quer ficar por aqui. Quer, obviamente, fazer o mesmo que fizeram os três compatriotas e chegar ao jogo mais desejado. Terá o Monaco condições para prolongar o sonho e marcar presença na final de Cardiff? Claro que sim. Hoje, 20 de abril, não há equipa na Europa que jogue mais do que esta.

20.04.2017
M M