De olhos na bola

OCTÁVIO RIBEIRO

OCTÁVIO RIBEIRO

DIRETOR DO CORREIO DA MANHÃ
OCTÁVIO RIBEIRO

A culpa é do Varela

Ver talento desperdiçado é algo que custa muito. Principalmente quando o talento se explana em áreas de grande valor financeiro, com forte potencial para multiplicação da riqueza para quem tem tal dom, e elevados benefícios para todos os que com ele interagem profissionalmente. Estas linhas chegam a propósito da situação de Bruno Varela. O jovem guarda-redes do Benfica está numa esquina da sua ainda curta carreira. E não parece já possível que seja na Luz o palco para demonstração da sua grande valia.

A vida é feita muitas vezes de acasos. Se, como muito bem eternizam os nossos Comandos, a sorte protege os audazes, por vezes audácia e valor não chegam para se ter sorte.

Vejamos as diferenças entre o lançamento de Ederson e de Varela: Ederson teve a sua oportunidade quando a equipa estava sólida, saudável, com vontade de vencer. Ederson é um excelente guarda-redes e, naquela conjuntura favorável, foi-lhe fácil agarrar o lugar, depois brilhar muito, dar o seu natural franguito, tudo até protagonizar uma transferência milionária.

Varela entrou para a baliza numa equipa sem polos positivos. Um onze sem explosão, sem soluções fluídas pelas alas, incapaz de ser mandão no jogo, ganhar ressaltos e bolas de ninguém. Em vários jogos, Varela fez excelentes defesas, segurou pontos. Depois, deu um frango e logo foi retirado da baliza. O melhor que Luís Filipe Vieira terá a decidir será emprestar Varela em janeiro, de preferência colocando-o no mercado internacional. Para futura venda.

Só fora da Luz poderá continuar a evoluir como merece um atleta que tem potencial para ser um dos melhores guarda-redes portugueses da próxima década. Mas a forma como foram geridas as últimas semanas deste felino, seguro e corajoso guardião, estão longe de recomendar a célebre estrutura do Benfica, como valorizadora de ativos relevantes. Rui Vitória continua a apostar em jogadores que parecem tomados pela fadiga de ganhar, não há laterais que defendam e ataquem bem, foi vendido o único ponta-de-lança com presença na área. Pois bem, os resultados não surgem, queima-se o Varela na fogueira da opinião clubística e siga a crise. Como se tem visto nos jogos posteriores à decisão de queimar este jovem talento, o problema não estava no guarda-redes. Lamentável. Parece óbvio que Varela deu um grande trambolhão na sua carreira. Que não perca a fé, pois tem imensa qualidade!

P.S.- Em Alvalade estoirou a guerra de palavras entre as gentes do atual presidente e um ex-vice-presidente. Os mísseis entre Bruno de Carvalho e o ex-dirigente podem estilhaçar a atual estrutura. Pereira Cristóvão parece estar na posse de vasta informação sobre factos relevantes e tem muito pouco a perder. Aguardamos com expectativa os próximos capítulos das denúncias do ex-inspetor da Judiciária.

04.10.2017
M M