A Luz Intensa

Pedro Adão e Silva

Pedro Adão e Silva

Professor Universitário
Pedro Adão e Silva

O ataque do Benfica

Quando no final da temporada passada, em entrevista à BTV, Rui Vitória avisou que estava "a pensar nalgumas mudanças táticas e na forma de jogar", houve quem especulasse que o Benfica estaria a ponderar um sistema alternativo ao predominante nos últimos oito anos. Se se atentasse nas restantes palavras do treinador, percebia-se que não era o caso. Vitória sublinhava: "Há espaço para evolução, mas ela está dependente de eventuais saídas de jogadores-chave. Uma coisa é ter um lateral que entra na área, outra é ter um que só faz jogo por fora. Uma coisa é ter o Jonas ou atuar sem ele." Estava dado o mote e a sugestão era que, mais do que uma mudança de sistema, o Benfica iniciaria 2017/18 com variações no mesmo sistema.

Em parte isto aconteceria por força da saída de jogadores. Sem Nélson e Grimaldo, o Benfica perde profundidade nas alas e as trocas entre alas e laterais (com estes a procurarem o jogo interior) deixam de ser tão frequentes. É por isso que a saída de Nélson e as lesões constantes de Grimaldo implicam menos com a organização defensiva do Benfica do que com a forma como a equipa ataca.

Ainda assim, como se tem visto, o fundamental são as alterações no ataque.

Recuemos até à época passada. Uma das fragilidades do futebol do Benfica era a organização ofensiva. Escrito assim, parece estranho. Afinal a equipa foi campeã e marcou 72 golos. Mas, como foi muitas vezes dito, o Benfica era Pizzidependente (e continua a ser) e, mais relevante, a equipa tinha poucas variações na forma como saía a atacar. Muito por força das características dos avançados (e pela ausência frequente de Jonas), Pizzi estava, quase sempre, obrigado às mesmas jogadas. O que permitia aos adversários anular, em muitos momentos, a equipa encarnada.

Quatro jogos oficiais esta temporada permitem, já, tirar algumas ilações: o Benfica é, hoje, uma equipa mais versátil a atacar e, à terceira época como treinador, nunca a equipa comandada por Rui Vitória jogou um futebol tão envolvente e com tantas variações. Os céticos em relação à qualidade do futebol de Rui Vitória podem bem ter perdido as reservas e os (poucos) nostálgicos da dinâmica avassaladora de Jorge Jesus devem ter desaparecido.

Os números falam por si. Quatro jogos oficiais, quatro vitórias e 12 golos marcados. Mas os números não revelam tudo. O que faz a diferença é que, muito pela contribuição do avançado quatro em um que é Seferovic (fixa, dá profundidade, constrói e finaliza), o Benfica ganhou mobilidade no ataque e agressividade. Esta mudança permitiu a Jonas e a Pizzi disporem de mais soluções em organização ofensiva, tornando o futebol do Benfica mais ligado em zonas interiores mais adiantadas do campo. Já em transição, com um movimento característico do suíço – que encosta aos centrais para logo depois surgir a explorar a profundidade nas costas da defesa –, não apenas Pizzi pode explorar lançamentos verticais (o que tinha deixado de ser possível com a saída de Guedes), como as defesas adversárias serão obrigadas a jogar mais recuadas (por terem dificuldades a defender este movimento).

Talvez não seja prematuro dizer que, com uma pequena variação de sistema, o Benfica tornou-se mais forte e estará sempre mais perto das vitórias. Pelo caminho, a equipa entusiasma (ainda) mais.

22.08.2017
M M