Rui Malheiro analisa jogo do ponto de vista tático

Rui Malheiro

Rui Malheiro

Analista
Rui Malheiro

A análise do Juventus-FC Porto: Porto de honra

Na etapa inicial, foram notórias as arduidades em chegar a zonas de conclusão, mas houve destreza no processo ofensivo, explorando a mobilidade das suas unidades e a desinibição em ter bola. Por isso, o 4x1x4x1 em momento defensivo (1) não impedia que, assim que a bola era recuperada, André Silva, a partir do corredor direito, se juntasse a Soares no ataque, consentindo que os laterais buscassem a profundidade, enquanto Brahimi saía do flanco esquerdo e surgia com sagacidade nas entrelinhas com o apoio de André e Óliver (2).

Depois, houve competência no processo defensivo, já que o FC Porto combinou momentos de pressão média-alta, em que obstruiu a primeira fase de construção do rival, com outros em que se organizava num bloco médio-baixo (1), sagaz a obstruir o jogo interior da Juventus, onde se perceberam as dificuldades, face à ausência de Pjanic, no estabelecimento de conexões entre Marchisio e Khedira, excessivamente posicionais (1), e Dybala.

A fórmula da Juventus para chegar a zonas de finalização passou pela exploração do jogo exterior – na etapa inicial, 7 dos 9 remates brotaram de cruzamentos – e pela busca incessante do jogo aéreo de Higuaín e Mandzukic, astuto a sair do corredor esquerdo e a transformar-se em segundo avançado, onde se impunha com facilidade a Maxi. Sem surpresa, o penálti de que resultou o golo do triunfo surgiu de um canto apontado por Dani Alves, em que Alex Sandro – um dos seis bianconeros que se encontravam na área – se impôs com facilidade a Óliver (3), desnudando fragilidades na defesa individual preconizada pelos portistas, com Higuaín a atacar a segunda bola que obrigou Maxi a substituir Casillas, o que lhe custou a expulsão.

Com menos uma unidade, Nuno foi astuto a reorganizar a equipa em 4x3x2, o que lhe permitiu criar, na etapa complementar, duas oportunidades de golo tremendas. Só que Soares e Diogo Jota, mesmo isolados, não superaram a instituição Buffon.

14.03.2017
M M