Leão dos 'indiscutíveis' há muito não se via

A entrada do Sporting na fase de grupos da Champions foi o facto da semana. O apuramento dos leões acontece depois de uma primeira mão pouco conseguida e um jogo em Guimarães a prometer altos voos.

Neste começo de época, na caminhada oficial, assistimos a um arranque ‘suficiente’ (Aves) ou ‘duvidoso’ (V. Setúbal, Steaua, casa), mas também ‘demolidor’ (Guimarães e Steaua, fora).

Para já, temos um Sporting mais forte na sua condição de visitante (3V, 12-1 em golos). Em Alvalade, a equipa de Jorge Jesus tem revelado algumas especiais limitações (1V, 1E e 1-0 em golos), ficando bem patente a dificuldade em chegar ao golo, em imenso contraste com aquilo que vem evidenciando na condição de forasteiro.

A explicação pode estar no facto de Jorge Jesus, até agora, estar a jogar da mesma maneira, com as diferenças tácticas e estratégicas de pormenor que sempre são achadas para cada jogo e adversário, em casa ou fora de Alvalade.

Há uma diferença que salta aos olhos: Bruno Fernandes esteve como titular em todos os resultados mais robustos do Sporting (todos ‘fora’); Podence foi o ‘assistente’ de Bas Dost nos jogos em que os ‘leões’ sentiram maiores dificuldades (ambos em ‘casa’).

Podence pode ser um jogador muito útil, mas a dimensão técnica e táctica alcançada, rapidamente, por Bruno Fernandes não suscita qualquer dúvida: Bruno Fernandes é essencial e quase imprescindível no Sporting — e já deveria constar desta convocatória da Selecção Nacional…

Com William e Adrien no plantel, o lugar de Bruno Fernandes é no espaço compreendido entre Adrien e Bas Dost; com a saída de um deles, ou de ambos, a tendência é fazer baixar Bruno Fernandes para a posição 8. Uma coisa é certa: Fernandes é o novo maestro do Sporting.

Dois cenários, portanto: ou, em condições normais e na maioria das vezes, Jorge Jesus estabiliza a equipa utilizando Bruno Fernandes dentro e fora de portas (mais realista e imediato); ou, em alternativa, joga com Bruno Fernandes fora de ‘casa’ atrás do ponta-de-lança e, em Alvalade, constrói uma solução que seja mais ‘robusta’ ofensivamente, considerando o volume de jogo atacante que Gelson, Acuña e o próprio Bruno Fernandes geralmente proporcionam. Essa solução (para os jogos em Alvalade) creio que poderia passar por Doumbia e Bas Dost juntos.

É claro que, para Doumbia e Bas Dost jogarem juntos nos jogos em ‘casa’, pergunta-se: onde colocar Bruno Fernandes, uma vez que neste momento é ele ‘e mais 10’? Se William sair e Adrien ficar, creio que há um cenário verosímil e técnico-tacticamente credível, susceptível de ser explorado: puxar Adrien para 6, colocar Fernandes a 8 e jogar então com Doumbia e Bas Dost na frente. Com todos no plantel e porque tirar Fernandes do onze seria um ‘crime’, a melhor solução é William-Adrien-Bruno Fernandes+Bas Dost, no corredor central.

Como se sabe, a próxima semana será decisiva em termos de entradas e saídas, e tem estado sobre a mesa a possibilidade de William e/ou Adrien saírem Creio que, consideradas as principais hipóteses, temos os seguintes onzes-base:

COM WILLIAM E ADRIEN

Rui Patrício; Ristovski (ou Piccini), Coates, Mathieu e Coentrão: William; Gelson, Adrien e Acuña; Bruno Fernandes e Bas Dost

SEM WILLIAM E COM ADRIEN

Rui Patrício; Ristovski (ou Piccini), Coates, Mathieu e Coentrão: Battaglia; Gelson, Adrien e Acuña; Bruno Fernandes e Bas Dost

Outra hipótese (jogos em Alvalade):

Rui Patrício; Ristovski (ou Piccini), Coates, Mathieu e Coentrão: Adrien; Gelson, Bruno Fernandes e Acuña; Doumbia e Bas Dost

SEM WILLIAM E SEM ADRIEN

Em casa:

Rui Patrício; Ristovski (ou Piccini), Coates, Mathieu e Coentrão: Battaglia; Gelson, Bruno Fernandes e Acuña; Doumbia e Bas Dost

Fora:

Rui Patrício; Ristovski (ou Piccini), Coates, Mathieu e Coentrão: Battaglia; Gelson, Bruno Fernandes e Acuña; Podence e Bas Dost

Parece ficar evidente que, a perder William e Adrien em simultâneo, o poder do Sporting fica bastante mais reduzido, e isso é um factor a ponderar pelos responsáveis. Battaglia está em fase ‘de aprendizagem’ (há momentos em que não é aconselhável transportar a bola e perder a posição, e isso o argentino ainda não tem presente). Diria que o Sporting possui 10 titulares indiscutíveis, neste momento (Rui Patrício, Coates, Mathieu, Coentrão, William, Adrien, Gelson, Bruno Fernandes, Acuña e Bas Dost, estando em aberto, na minha leitura, o lugar de lateral-direito), o que não acontecia há muito tempo. Este é, na versão actual, o plantel mais forte do Sporting desde que foi campeão pela última vez e, mesmo assim, ainda precisaria de mais um jogador para o ataque e mais um central. Tudo será diferente, claro, se os ‘dói-dóis’ se manifestarem…

* Texto escrito com a antiga ortografia

JARDIM DAS ESTRELAS - Eliseu em três dimensões **

‘Flores’ soltas:
CRISTIANO RONALDO (****) - Esta acusação de fraude fiscal não abona nada um jogador que é um autêntico papa-troféus.
ELISEU (*) - A forma patética como alguns quiseram defender a ‘não falta’ de Eliseu sobre Diogo Viana mostra bem como a desonestidade anda à solta. E, neste caso, prestando um péssimo serviço ao Benfica. Há ‘guerras’ que não valem a pena e não prestam.
ELISEU I (**) - O CD foi ‘vídeo-árbitro’ para Jorge Sousa e não há como não sê-lo em situações de ‘flagrante delito’. Isso não é enfraquecer nada nem ninguém. É actuar em caso de ilícito, com as ferramentas legais e disponíveis, regulamentarmente.
ELISEU II (***) - Ele mesmo: sabe que errou. Não precisa de ser ‘crucificado’, apenas punido.
JONAS (*****) - Quando a inteligência e o talento são suficientes para não ter que se correr muito.
JORGE JESUS (****) - Muito bem na condução da equipa em Bucareste. Arriscou (com Doumbia) e petiscou.
JORGE SOUSA (**) - Um castigo singular, mas sustentado pelos regulamentos. Meirim gera uma nova responsabilidade: actuar em todas as situações em que o ‘flagrante delito’ exista e seja participado.
SORTEIO (***) - Champions: FC Porto com muitas possibilidade de seguir em frente, Benfica na corrida e Sporting… sem nada a perder.
SVILAR (***) - Parece ser uma grande aposta para o futuro, mas o Benfica não estará a descurar o presente, mesmo com Bruno Varela?…
XADAS (****) - Este ‘menino do Braga’ tem talento a rodos.

O CACTO - Advogar o silêncio

São demasiadas as revelações feitas pelo FC Porto em relação à figura de Paulo Gonçalves, apontado como uma espécie de ‘advogado do diabo’, pivô de um sistema que apela no mínimo a uma profunda promiscuidade. Tantas acusações, tantos emails e tanto silêncio. Porquê?

26.08.2017
M M