Bloco baixo

Sérgio Krithinas

Sérgio Krithinas

Editor
Sérgio Krithinas

É o futebol que temos

O relatório 'The European Club Footballing Landscape', divulgado ontem pela UEFA sobre as finanças dos clubes europeus, ajuda a perceber bem as dinâmicas do futebol europeu. Os dados são referntes a 2015/16, mas não perderam atualidade. E, no que diz respeito à nossa Liga, apenas confirma a necessidade de exportar, exportar, exportar. As receitas ordinárias são metade das dos clubes russos e turcos, pelo que o mercado acaba por ser essencial para que possamos disfarçar as diferenças.

Mas há dados, quando comparados, nos deviam fazer pensar. Por exemplo: 18 clubes da Liga NOS gastaram numa temporada 259 milhões de euros para pagar salários; ao mesmo tempo, houve nove emblemas que, sozinhos, gastaram mais do que isso...

A Liga portuguesa anda à volta do 10.º lugar na maior parte dos itens analisados - receitas totais, espectadores, receitas de TV, etc... Por isso é ainda mais notável que tenha vindo a esconder há tantos anos esse estatuto de 2ª divisão europeia, conseguindo colocar com relativa frequência uma equipa nos quartos de final da Liga dos Campeões ou até em finais da Liga Europa. Olhamos para países como Holanda, Bélgica ou Suíça - em teoria, os nossos verdadeiros 'rivais' - e percebemos que somos mesmo muito bons nesta coisa de dar pontapés na bola.

Mas depois é neste mesmo futebol que há uma bancada que ameaça vir abaixo durante um jogo. É estranho como é que um país que faz tanta coisa bem consegue também fazer tanta coisa mal.

16.01.2018
M M