Visão Periférica

Vítor Baía

Vítor Baía

Antigo internacional
Vítor Baía

Emoções

Senti particular emoção ao receber, na última quinta-feira, a roseta de prata que assinala os 25 anos de sócio do FC Porto. Foi um momento muito gratificante para mim, pelo que isso significa, e que já na semana passada escrevi, e porque tive a oportunidade de receber muitos aplausos carinhosos dos adeptos presentes na sala. Aliás, pude verificar que muitos deles quiseram manifestar esse mesmo carinho, comparecendo na cerimónia mesmo sem estarem entre os que iam receber essa distinção. Esse é o apoio que me importa e me faz acreditar neste FC Porto; estas manifestações tão simples são um sinal evidente do reconhecimento das pessoas pelo meu portismo e pelo meu passado. Quem não reconhece está destinado a falar sozinho.

O FC Porto parte agora para mais uma batalha na Europa, um jogo decisivo em Brugges. A vitória de ontem com o Gafanha, e com uma larga maioria dos titulares em campo, foi natural mas boa, porque a equipa esteve sem competir duas semanas e era importante perceber como se encontra física e psicologicamente, depois de alguns jogadores terem estado ao serviço das seleções. Julgo que essa foi a intenção de Nuno Espírito Santo. A equipa precisava de se reencontrar no relvado olhando já para esse encontro na Bélgica. Cada vez acredito mais que as dinãmicas da equipa começam a impor-se com naturalidade. A equipa é jovem mas está a crescer rapidamente.

A Taça de Portugal é feita de muitas histórias. O FC Porto escreveu mais uma, sem passar pelas dificuldades que sentiram Sporting e Benfica, que optaram por fazer muitas alterações. Às vezes corre mal...

15.10.2016
M M