Sessenta e sete. O número, por si só, não representa nada de extraordinário. Mas são 67 anos de vida, o que independentemente do simbolismo significa isso mesmo: vida. E já longa.

No caso do Record, tem sido uma existência saudável, feita de esforço e talento e rica de experiência e conhecimento. No entanto, a existência traduz-se, cada vez mais, em resistência. Todos sabem como são momentos difíceis aqueles que a imprensa atravessa, mas não deixam de ser também tempos de oportunidades e de desafios, os quais abraçamos com otimismo, confiança e sentido de responsabilidade.

Cada ano que passa torna-se, por isso, especial. O Record demonstra uma vitalidade fantástica e uma capacidade notável para se adaptar aos novos tempos. A vontade de fazer mais e diferente mantém-se igual ao primeiro dia que no longínquo ano de 1949 fez nascer este projeto. No fundo, chegados aos 67, queremos fazer mais e… melhores anos.


Sessenta e sete representa, pois, uma aventura extraordinária que merece de todos nós, aqueles que diariamente produzimos informação e conteúdos com a marca Record – no papel, no digital, na televisão –, não só a devida celebração mas também o tributo a todos os que no passado ajudaram a construir esta longa história.

Assim sendo, resolvemos partir para um desafio que lançámos a nós próprios e àqueles que connosco colaboram regularmente: escolher os 67 factos mais significativos do Desporto português. Ordená-los foi tarefa complexa e, como era de esperar, não foi consensual. Mas revelou-se um exercício estimulante e até provocador, construído através de critérios pessoais e opções ponderadas. Respeitar as grandes conquistas e valorizar contextos foram princípios intocáveis. O que o leitor tem nas mãos é o resultado dessa escolha que merecerá a sua anuência ou a sua discordância. Para o bem e para o mal, ficam as nossas opções.

Autor: António Magalhães