Mathieu: «Não sou o primeiro nem vou ser o último jogador a fumar»

Defesa francês fala abertamente sobre a situação

• Foto: Rui Minderico

Aos 33 anos, o central francês trocou o ‘Visca Barça!’ para apoiar um projeto que acredita ser vencedor. O Sporting, diz, reforçou-se melhor do que nunca e está pronto para iniciar um novo ciclo em Portugal. Mas para isso, há que ter "tranquilidade" e... pensar jogo a jogo. Uma entrevista para ler na íntegra na edição impressa deste domingo e aqui


R - A sua última época ficou marcada pelas várias lesões que contraiu. Acabou por fazer apenas 16 jogos ao serviço do Barcelona. Agora, arrancou em grande e participou em todos os seis jogos que o Sporting já fez em 2017/18. Como se tem sentido neste período?

M – Sinto-me muito bem, tenho a cabeça limpa e aqui, em Portugal, a pressão não é a mesma que sentia em Espanha nos anos que lá joguei. Há exigência, sim, mas não é como no Barcelona, por exemplo. Além de a forma de defender ser diferente, como já disse. Temos de defender todos juntos, a equipa move-se como um bloco. Mas quando falo em pressão e exigência falo das que existiam também vindas da imprensa espanhola. Coloca-nos muito peso em cima nos quando fazemos um jogo mau. Vão atrás de ti, todos os dias, e puxam-te para baixo. É muito complicado gerir esses momentos.

R - Está pronto para fazer quantos jogos nesta temporada?

M – Se não me lesionar, estou pronto para participar em todos! Cuido-me muito, antes e depois dos treinos e dos jogos. Tive problemas físicos na última época, sim, mas agora sinto-me muito bem e estou pronto para fazer os jogos que o treinador entender!

R - Há o estigma de que os jogadores altos [Mathieu tem 1,89 metros] são mais lentos que os restantes. Mas você tem dos melhores números em termos de velocidade nas últimas temporadas em Espanha. Acaba, no fundo, por contrariar essa ‘tendência’…

M – (Risos) Sim, é verdade! Não sou tão rápido como já fui, mas tenho uma velocidade muito boa. Penso que é uma das qualidades que um defesa deve ter para vingar.

R - E para ter feito a carreira que fez até agora, completa essa velocidade com que outras valências?

M – Com as questões de posicionamento, sem dúvida. Para um defesa, é importante saber ler bem o jogo e só assim podemos dar mais do que o normal. Sermos diferentes dos restantes futebolistas.

R - Falou na imprensa espanhola e na forma como persegue os jogadores. Aconteceu consigo, mas não por ter jogado melhor ou pior; aconteceu quando abordaram a questão de você ser fumador. Foi mal chegou ao Barcelona, na temporada 2014/15...

M – Sou uma pessoa que diz sempre a verdade, não tenho qualquer problema em fazê-lo. Sobre o assunto de ser fumador, não sou o primeiro nem o último jogador que fuma… Mas quando as pessoas me veem no campo, os adeptos ficam contentes comigo. Isso para mim é o mais importante. Aliás, só isso.

R - Sente que entraram sem necessidade no campo pessoal?

M – Sim, sem dúvida. São questões pessoais. O que é que as pessoas têm a ver com esse assunto? É como digo. Deixo que pensem o que quiserem, é-me igual.

R - Que sentimento lhe provoca quando o fazem?

M – A imprensa, neste caso a espanhola, quer-te ‘matar’. Fumo… e então? É por isso que não vou defender este símbolo com tudo o que tenho? As pessoas que pensam o que quiserem, é-me igual! Como disse, aquilo que me importa é a forma como estou dentro de campo, a forma como represento o meu clube e sobre isso, ninguém pode ter nada para me apontar.

Por Bruno Fernandes
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Entrevistas

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.