Mestre do Japão de ouro a Portugal

Kiyoshi Kobayashi impulsionou em Portugal modalidade que tem sido das que mais títulos dá ao nosso país

A medalha de ouro de Jorge Fonseca no Mundial deste ano fez com que os portugueses virassem de novo atenções para o judo nacional. Depois das medalhas conquistadas nos Jogos Olímpicos por Nuno Delgado (Sidnei’2000) e Telma Monteiro (Rio’2016), os holofotes voltaram a virar-se para os atletas que combatem no tapete, mas a verdade é que a evolução da modalidade em Portugal tem sido constante. E os intérpretes não têm dúvidas em apontar o grande impulsionador e pai da modalidade: Kiyoshi Kobayashi.

Natural do Japão, o país do judo, Kobayashi podia ter falecido aos 19 anos quando era para ter sido kamikaze na II Guerra Mundial, mas acabou por ter uma vida longa, quase toda em Portugal. A partir de 1945, quando o Japão perdeu a guerra, várias habitantes tiveram de divulgar a cultura japonesa pelo Mundo, com Kobayashi a ter essa missão em Portugal. "O mestre chegou a cá e já havia o judo, mas era algo incipiente. Tanto que as pessoas que o acompanharam mais já faziam judo. A técnica do mestre foi essencial para o arranque que se deu e para a modalidade chegar a outro nível", explicou a Record António Aleixo.

O ex-presidente da Federação Portuguesa de Judo vincou ainda o que distinguia Kobayashi do resto dos praticantes: "O mestre, quando via alguém interessado, não só ensinava como treinava com a pessoa. Isso era o que o diferenciava dos outros praticantes. Ele possuía, claro, conhecimentos muito mais avançados e os seus métodos de treino eram mais práticos e intuitivos."

Crescimento do judo

A modalidade há 50 anos tinha um papel residual, mas agora engloba judocas lusos com notoriedade internacional. "Temos atletas de topo que, com os tais contactos e treinos que fazem no estrangeiro, continuam a evoluir. Os resultados são essenciais e a modalidade chama a atenção devido a isso. Todos falaram do Mundial ganho pelo Jorge Fonseca", explicou António Aleixo.

De resto, Kobayashi, que faleceu em 2013, teve uma vida cheia de histórias para contar. Licenciado em Medicina, área em que ainda chegou a exercer, notabilizou-se na prática e ensino do judo, tendo passado por EUA, Egito, Síria, Arábia Saudita, Grécia, Itália, Alemanha, Inglaterra, Itália e Bélgica, e ensinado personalidades como Richard Nixon, na altura vice-presidente norte-americano, Dwight Eisenhower, ou o até príncipe grego Constantino.

Isto tudo antes de chegar a Portugal, onde deixou um legado na modalidade e ainda um descendente. Fruto de um relacionamento que teve com uma portuguesa na primeira passagem pelo nosso país, Kobayashi viu nascer Renato Santos Kobayashi, que se tornou também ele um judoca de elite em Portugal, ajudando a aumentar o medalheiro luso. Além disso, tem surgido uma nova geração de judocas portugueses com resultados comprovados no circuito mundial. Entre eles, destacam-se alguns nomes como Jorge Fonseca, Bárbara Timo ou Catarina Costa. De resto, a modalidade teve o maior número de atletas federados em Portugal nesta década em 2013. Já nos últimos anos, a modalidade tem contado com um aumento gradual de praticantes no País.

Reencontro raro com ex-prisioneiro

Kobayashi esteve presente na II Guerra Mundial, onde travou batalhas com soldados norte-americanos, tendo encontrado um deles depois em Portugal, como nos confessou António Aleixo. "O mestre esteve na Guerra como kamikaze e a certa altura foi ferido e passou a comandar um campo de prisioneiros. Uma vez, em Portugal, houve uma convenção e estavam lá entidades estrangeiras. Estava presente um coronel americano e que se dirigiu ao mestre. O mestre ficou espantado, mas depois cumprimentaram-se efusivamente. Eu perguntei de onde o conhecia e ele disse ‘foi meu prisioneiro’. Aí, dei-lhe os parabéns pelo respeito", contou.

Medalheiro

Telma domina medalhas

Ao olharmos para as medalhas conquistadas até agora pelo judo português, vê-se que Telma Monteiro se destaca como a praticante mais bem-sucedida. A judoca, de 33 anos, conta com 19 medalhas no seu palmarés, contando com Jogos Olímpicos, Mundiais e Europeus, enquanto o total para Portugal é de 43. Assim, Telma acaba por ter contribuído para mais de 44% das medalhas ganhas pelo País nestas provas.

FACTOS E NÚMEROS

medalhas. A nível sénior, Portugal contabiliza 43 medalhas conquistadas no judo. Entre elas, destacam-se as duas medalhas nos Jogos Olímpicos, ambas de bronze, conseguidas por Telma Monteira, no Rio’2016, e Nuno Delgado, em Sydney’2000.

dezoito. Portugal contou com 18 atletas no Campeonato do Mundo de judo que se realizou este ano no Japão. Foi a maior representação lusa de sempre no Campeonato do Mundo da modalidade.

primórdios. O primeiro clube de judo em Portugal foi o clube de Beja, fundado em 12 de junho de 1957. Um mês mais tarde, foi fundado o Judo Clube de Portugal.

guinness. A maior aula de judo do Mundo contou com cerca de 4.000 participantes e foi promovida por Nuno Delgado. A iniciativa teve o apoio da Fundação Nelson Mandela e a chancela da União Europeia de Judo e ocorreu no Terreiro do Paço, em Lisboa, no Dia Mundial da Criança, em 2011.

Por Filipe Balreira
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fazemos campeões

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.