Enfermeira deixa alerta: «Não vamos brincar, isto é assustador»

Raquel Martins, 32 anos, trabalha num hospital privado, no Porto. Não sabe como se infetou, mas, no trabalho, não a deixavam usar máscara.

"Neste momento, vivo na cozinha. Durmo, almoço e janto na cozinha. Vivo na cozinha para as minhas filhas ficarem com o resto da casa para brincarem. Devia ter sido tudo ao contrário: prevenir para não acontecer. Sou enfermeira, trabalho num hospital privado do Porto, mas estávamos todos proibidos de usar máscara com o argumento de que criava alarmismo. Não havia nada por escrito, como é óbvio, as direções sabem que não podem proibir um profissional de saúde quando é declarada uma pandemia mundial".

Leia o depoimento na íntegra na Sábado

1
Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Coronavírus

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.