Fim do estado de emergência não traz EMEL de volta a Lisboa para já

Regresso à atividade está "dependente da celeridade com que as atividades económicas regressarem à normalidade"

EMEL
EMEL

O pagamento de parquímetros em Lisboa está suspenso desde março devido à pandemia de covid-19. Segundo tinha informado a autarquia liderada por Fernando Medina, a suspensão do pagamento de parquímetros estaria em vigor pelo menos até ao fim do Estado de Emergência - que foi levantado este sábado, 2 de maio. Mas o estacionamento ainda não voltou a ser pago.

À SÁBADO, fonte da EMEL explicou que a fiscalização ainda não teve início, estando essa "dependente da celeridade com que as atividades económicas regressarem à normalidade". A decisão sobre o regresso à atividade da empresa municipal será "alinhada com a Câmara Municipal de Lisboa" apenas "quando se mostrar pertinente" esse regresso, afirmou a mesma fonte. 

Na sexta-feira, em entrevista ao site Motor 24, o presidente da EMEL, Luís Natal Marques, não avançou com uma data concreta para o fim da isenção. Natal Marques revelou ainda que durante o estado de emergência a empresa municipal perdeu cerca de dez milhões de euros em receitas com a suspensão da cobrança. 

O uso obrigatório de máscara nas lojas até 200 metros quadrados com porta aberta para a rua é uma das condições, enquanto nos cabeleireiros e similares o atendimento é feito por marcação.

Nos espaços fechados, a lotação máxima é de cinco pessoas por 100 metros quadrados.

Covid-19: Comércio local, cabeleireiros e livrarias abrem portas

O uso obrigatório de máscara nas lojas até 200 metros quadrados com porta aberta para a rua é uma das condições, enquanto nos cabeleireiros e similares o atendimento é feito por marcação. - Dinheiro , Sábado.


Autor: Sábado com Lusa

Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Coronavírus

Notícias