Alemanha repudia uso de saudação nazi em evento da extrema-direita americana

Vídeo mostrou participantes num evento em Washington a levantarem o braço com a mão estendida durante um discurso de Richard Spencer

• Foto: EPA

O Governo alemão manifestou esta quarta-feira a sua repulsa pelo uso de saudações conotadas com o nazismo, como aconteceu recentemente num evento promovido em Washington por um grupo de extrema-direita norte-americano.

Um vídeo divulgado pela revista norte-americana The Atlantic mostrou participantes num evento realizado no sábado, em Washington, a levantarem o braço com a mão estendida durante um discurso de Richard Spencer, líder de um movimento de extrema-direita norte-americano designado National Policy Institute.

"Falando em termos gerais, sempre que vemos vídeos de qualquer lugar a mostrar pessoas a levantarem a mão para fazer a saudação de [Adolf] Hitler, sentimos repulsa", afirmou o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, quando questionado sobre esta situação concreta. "Vai contra os princípios e os valores da nossa política", acrescentou o representante.

A Alemanha nazi foi responsável pela guerra e pelo genocídio que levou à morte de dezenas de milhões de pessoas nas décadas de 1930 e de 1940.

Depois da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha criminalizou a exibição de imagens de teor nazi, incluindo a saudação que era geralmente acompanhada pelas frases "Heil Hitler" ou "Sieg Heil" ("Salve a Vitória").

O porta-voz do Governo alemão referiu que o facto de este caso estar a ser amplamente discutido nos Estados Unidos é um bom sinal: "Temos uma grande fé na sociedade civil americana, nos media e na política para lidar com tais acontecimentos maus, com tais eventos terríveis", concluiu.

Os grupos nacionalistas e de defesa da supremacia branca existem nos Estados Unidos há décadas, mas ganharam no verão passado um novo relevo quando os seus ativistas apareceram na convenção nacional do Partido Republicano norte-americano para celebrar a nomeação de Donald Trump como candidato presidencial republicano.

Richard Spencer, que está ligado ao movimento 'alt-right' (alternative right -- direita alternativa, em português), surge no vídeo publicado pela The Atlantic a dizer "Hail Trump, salve o nosso povo, salve a vitória" e a ser aplaudido pela audiência presente no local.

Na terça-feira, o Presidente norte-americano eleito, Donald Trump, condenou o movimento "alt-right" que saudou a sua eleição, sublinhando que não pretendia alimentar tais ideias. Também negou que o seu conselheiro estratégico Steve Bannon seja de extrema-direita.

"Condeno-os: repudio e condeno [o movimento extremista 'alt-right'", declarou Trump, em entrevista concedida ao diário The New York Times, quando instado a comentar o evento em que a sua vitória eleitoral foi celebrada com saudações nazis.

"Não quero al_: entar esse grupo e repudio o grupo", disse o magnata do imobiliário nova-iorquino, depois de emitir, durante toda a campanha eleitoral, comentários racistas, xenófobos e misóginos.

Quanto a Bannon, que lidera a sua recém-nomeada equipa de estrategas, Trump afirmou, segundo um 'tweet' publicado pela jornalista do New York Times Maggie Haberman: "Se eu achasse que ele era racista ou do 'alt-right' ou alguma dessas coisas, nem sequer pensaria em contratá-lo".

Steve Bannon, de 62 anos, foi até há muito pouco tempo o diretor do Breitbart News Network, um site de informação que serve de caixa-de-ressonância ao movimento de extrema-direita 'alt-right', recém-surgido nos Estados Unidos.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.