CGD denunciou Sócrates em carta à PJ e originou Operação Marquês

Relatório comunicava a existência de transferências suspeitas de Carlos Santos Silva para a conta da mãe do antigo primeiro-ministro

• Foto: Lusa

Em 2013, a Caixa Geral de Depósitos enviou um relatório à Policia Judiciária onde comunicava a existência de transferências suspeitas de Carlos Santos Silva para a conta da mãe do antigo primeiro-ministro José Sócrates, Maria Adelaide Carvalho Monteiro, que a acusação apelida de "conta de passagem". Foi este documento, segundo o Expresso, que levou ao início da investigação Operação Marquês, que tem o ex-secretário geral do PS como principal suspeito.

O documento faz parte dos anexos dos autos do processo, que incluem factos relativos ao início do processo ainda antes mesmo de haver uma investigação oficial. Na carta enviada à Unidade de Informação Financeira da Polícia Judiciária, a CGD avançava que o esquema já teria valido a Sócrates mais de meio milhão de euros.

"Decidiu esta I.F. [Instituição Financeira] proceder à abertura do processo de investigação em nome de José Sócrates Carvalho Pinto Sousa em virtude de terem sido recebidas na sua conta à ordem com o NIB (...) diversas transferências de quantias elevadas", lê-se no relatório da Caixa e citado pelo semanário, referindo ainda: "Desconhecemos a racionalidade económica e financeira que está subjacente às transferências emitidas por Carlos Manuel Santos Silva, no valor de €600.000,00 para a conta de Maria Adelaide Carvalho Monteiro (funcionando esta como "conta de passagem"), a qual posteriormente transferiu de forma fracionada, num período de cerca de seis meses, a quantia de €450.000,00 para a conta de José Sócrates Pinto Sousa", refere ainda o documento.

Nem os arguidos, nem os respetivos advogados, avança o Expresso, tiveram acesso aos autos, que foram disponibilizados apenas este mês por exigência do juiz Ivo Rosa. O magistrado exigiu que os mesmos ficassem disponíveis a tempo do início fase de instrução, que arranca esta segunda-feira com o interrogatório a Bárbara Vara, filha do antigo ministro Armando Vara.

A Operação Marquês tem no ex-primeiro-ministro José Sócrates o seu principal arguido, estando acusado de 31 crimes de corrupção passiva, falsificação de documentos, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais. O inquérito da Operação Marquês culminou na acusação a 28 arguidos – 19 pessoas e nove empresas – e está relacionado com a prática de quase duas centenas de crimes de natureza económico-financeira.

Sócrates está acusado de três crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 de branqueamento de capitais, nove de falsificação de documentos e três de fraude fiscal qualificada. A acusação sustenta que Sócrates recebeu cerca de 34 milhões de euros, entre 2006 e 2015, a troco de favorecimentos a interesses do ex-banqueiro Ricardo Salgado no Grupo Espírito Santos (GES) e na PT, bem como por garantir a concessão de financiamento da Caixa Geral de Depósitos ao empreendimento Vale do Lobo, no Algarve, e por favorecer negócios do Grupo Lena.

Além de Sócrates, estão acusados o empresário Carlos Santos Silva, amigo de longa data e alegado `testa de ferro´ do antigo líder do PS, o ex-presidente do BES Ricardo Salgado, os antigos administradores da PT Henrique Granadeiro e Zeinal Bava e o ex-ministro e antigo administrador da CGD Armando Vara, entre outros.

A acusação deduziu também um pedido de indemnização cível a favor do Estado de 58 milhões de euros a pagar por José Sócrates, Ricardo Salgado, Carlos Santos Silva, Armando Vara, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava e outros acusados.

Autor: Sábado

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.