Deputado do PSD insulta Mamadou Ba no Facebook: «Ó Mamadou e se fosses ba(rdamerda)!»

João Moura criticou facto de o assessor do BE ter pedido proteção policial após declarações polémicas sobre a ação da PSP no Bairro da Jamaica

• Foto: Luís Manuel Neves

O deputado do PSD João Moura usou a sua página na rede social Facebook para criticar o assessor parlamentar do Bloco de Esquerda Mamadou Ba, que pediu proteção policial após declarações polémicas sobre a ação da PSP no bairro da Jamaica, no Seixal. Pegando no apelido do também dirigente do SOS Racismo, o dirigente social-democrata, que está a substituir Duarte Marques enquanto este goza de licença de parternidade, foi contundente no ataque. 

"Bamos lá a Ber se nos entendemos! O Mamadou ba, chamou bosta à Bófia, leia-se polícia de merda, agora sente se inseguro e pede segurança policial", começa por escrever João Moura. Depois, o deputado à Assembleia da República conclui a publicação: "Ó Mamadou e se fosses ba(rdamerda)! [sic]", escreveu na publicação. Que durou apenas umas horas antes de ser apagada. 

Ao Observador, o deputado do PSD explicou que "foi um desabafo numa página pessoal" e falou em "objetivos focados, uma tentativa interna" no PSD de fragilizar a sua imagem. Além disso, defendeu que os termos usados "não foram ofensivos" e que "não pretendeu provocar, nem faltar ao respeito" ao ativista. 

Na sexta-feira, o assessor do BE considerou que as críticas que lhe têm sido dirigidas por afirmações acerca da polícia "são manobras de diversão" para "omitir o que é essencial". Na sequência de uma intervenção policial no bairro da Jamaica, no Seixal, ocorrida no domingo, o dirigente da SOS Racismo publicou um texto na rede social Facebook em que fala da "violência policial" no bairro e se refere à polícia como "a bosta da bófia". "Sobre a violência policial, que um gajo tenha de aguentar a bosta da bofia e da facho esfera é uma coisa é natural, agora levar com sermões idiotas de pseudo radicais iluminados é já um tanto cansativo, carago! Há malta que não percebe que a sua crença ideológica num outro modelo de sociedade, muitas vezes assente no privilégio doutrinário e não só, não salva quem todos os dias é violentado com o racismo. Portanto, fica o aviso que por estas bandas, não pastarão. [sic]", lia-se na publicação.

O dirigente afirmou encarar as críticas que lhe têm feito nas redes sociais, e também um vídeo no qual dirigentes do Partido Nacional Renovador lhe dizem para se demitir, como "uma manobra de diversão" e como "uma forma de omitir o que é essencial". "O que motivou as minhas declarações foi a forma como a polícia agrediu de modo injustificado cidadãos indefesos e é sobre isso que temos de falar", disse.

No domingo passado, a polícia foi chamada a Vale de Chícharos após ter sido alertada para "uma desordem entre duas mulheres". Segundo a PSP, um grupo de homens reagiu à intervenção dos agentes da polícia quando estes chegaram ao local, atirando pedras. Do incidente resultaram feridos, sem gravidade, cinco civis e um agente. Algumas das pessoas do bairro divulgaram um vídeo nas redes sociais e acusaram as autoridades de uso excessivo de força e racismo. 

Na segunda-feira, decorreu uma manifestação contra a violência policial, convocada nas redes sociais, em frente ao Ministério da Administração Interna, em Lisboa, que resultou em quatro detenções por apedrejamento aos agentes da PSP, de acordo com a polícia.

Nos dias seguintes aos protestos ocorreram diversos atos de vandalismo, como caixotes de lixo queimados e carros vandalizados, nos concelhos de Loures, de Sintra, de Odivelas e de Setúbal.

O incidente dividiu a postura de partidos políticos e levou mesmo a um episódio polémico no Parlamento, durante o debate quinzenal. O primeiro-ministro, António Costa, ficou exaltado com a pergunta feita pela líder do CDS, Assunção Cristas, sobre se Chefe do Executivo condenava ou não incidentes como os que tinham sido relatados nos últimos dias. "Deve ser pela cor da minha pele que me pergunta se condeno ou não condeno", atirou.

Autor: Sábado
18
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

Ultimas de Fora de Campo

Ministro Eduardo Cabrita demite-se

Decisão surge depois do Ministério Público acusar o motorista do ministro de homicídio negligente no acidente que matou um homem na A6

Notícias