Designação polémica era "adoção suplementar" ao Pavilhão Rosa Mota em 2018

O agora intitulado Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota foi inaugurado na segunda-feira sem a presença da atleta

• Foto: Peter Spark / Movephoto

A designação Super Bock Arena, no centro do conflito entre a atleta Rosa Mota e a Câmara do Porto a quem cabia autorizar ou não a alteração do nome do pavilhão, foi proposta em 2018, como suplemento.

Em causa está a introdução do nome "Super Bock Arena" antes da designação anterior - Pavilhão Rosa Mota - que, segundo a atleta, resultou de uma decisão tomada à revelia do acordado com a Câmara do Porto.

O consórcio responsável pela reabilitação do pavilhão Rosa Mota no Porto assegurava em 2018 que não se tratava de uma alteração da designação formal, que se manteria Pavilhão Rosa Mota, mas apenas da "adoção suplementar do branding" prevista no caderno de encargos.

No anexo que suportava a proposta apresentada e aprovada com os votos contra do PS, PSD e CDU, na reunião do executivo de novembro de 2018, o consórcio Círculo de Cristal, que venceu o concurso público internacional, solicitava "autorização para acrescentar", no uso corrente do Pavilhão Rosa Mota e durante a vigência do contrato, a marca comercial "Super Bock Arena" à sua designação, tal como estava previsto no respetivo caderno de encargos.

"Não se trata, por isso, de um pedido de alteração da toponímia ou designação formal do equipamento, que se manterá Pavilhão Rosa Mota, como é vontade da Câmara Municipal do Porto e do concessionário, mas apenas a adoção suplementar de branding, neste caso de uma empresa com fortes ligações à cidade e à região", garantia o concessionário no pedido.

Esta possibilidade de alteração da designação estava prevista no caderno de encargos e no respetivo contrato (ponto 33.4) de reabilitação daquele equipamento, cabendo sempre ao município aprovação ou não do naming, como demonstra, aliás, a proposta de autorização, onde o município refere que houve um primeiro pedido efetuado pelo concessionário, que o presidente Rui Moreira não aceitou.

No documento, sustenta-se que esta proposta "não altera a designação formal ou corrente do equipamento, traduzindo-se apenas na adoção suplementar de branding", salvaguardando assim "a ligação de um dos mais importantes e emblemáticos equipamentos da cidade a uma das maiores atletas da história do desporto português, que nasceu e cresceu na cidade do Porto".

Contudo, na reunião do executivo de segunda-feira, o presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, disse, em resposta aos vereadores que defendiam que a autarquia devia exigir o cumprimento do que foi aprovado, que a autarquia não tem meios, nem recursos para se opor.

Na proposta, o município afirmava que o modelo encontrado para a reabilitação do Rosa Mota "é favorável ao interesse público", representando, para além do mais, uma vantagem financeira para a câmara que "receberá - além de direitos na utilização do equipamento - um valor de quatro milhões de euros [por ano] ao longo de 20 anos".

Na proposta não consta, contudo, o valor pelo qual o concessionário cedeu a exploração do naming ao Grupo Super Bock e sobre o qual a autarquia não recebe qualquer percentagem.

Contactado pela Lusa, o Grupo Super Bock escusou-se a fazer qualquer comentário.

Também o arquiteto José Carlos Loureiro, autor do projeto do edifício inaugurado em 1952 e então chamado Pavilhão dos Desportos, escusou a comentar a polémica, por considerar que "não houve qualquer tipo de consideração" pela sua pessoa, enquanto autor.

O Pavilhão Rosa Mota, agora intitulado "Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota", foi inaugurado na segunda-feira sem a presença da atleta e dos vereadores do PS, PSD e CDU que não se conformam com a "menorização" do nome da campeã olímpica.

Na cerimónia de reabertura, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira passou praticamente ao lado da polémica, enfatizando que antes de haver um Porto conhecido pelo desporto e pela cultura, "já o era devido ao Vinho do Porto".

A nova designação do Pavilhão Rosa Mota foi já, aliás, adotada pela aplicação de navegação Google Maps, onde o equipamento surge com a designação de "Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota".

No dia 8 de outubro, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmava, durante um intervalo na audição dos partidos, para inaugurar o programa desportistas no Palácio de Belém, que "a Rosa Mota é mais importante do que todos os governos ou presidentes de Portugal".

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.