Expansão do metro vai reduzir tempo de espera

Estudo de impacte ambiental ao prolongamento da rede do metro de Lisboa entre o Rato e o Cais do Sodré

• Foto: Pedro Catarino

A expansão da rede do metropolitano de Lisboa vai ter efeitos na melhoria da oferta através de uma redução do intervalo entre comboios nas várias linhas, aponta o estudo de impacte ambiental do projecto de prolongamento da estação do Rato à do Cais do Sodré, que criará a nova linha circular.

"Os tempos de espera pelos comboios – que em média são metade do intervalo entre comboios – vão-se alterar tanto para o período de ponta da manhã como para o corpo de dia", é referido no documento que vai estar em consulta pública até 22 de Agosto. Como salienta, os tempos médios de espera irão ser inferiores em todos os casos, excepto na linha vermelha, no período de ponta da manhã, que se irá manter.

A redução, é referido, pode chegar no período de ponta da manhã aos 53 segundos e no corpo do dia a um minuto e 27 segundos (o que equivale a um terço do tempo actual).

O documento recorda que na linha verde circular os tempos de percurso entre as estações já existentes irão "reduzir um pouco, dado que o comboio irá circular com uma velocidade máxima de 60 km/hora, em vez da actual velocidade de 45 km/hora".

O intervalo entre comboios a circular na futura linha será de 3 minutos e 50 segundos, "dimensionado de acordo com a carga estimada para o troço mais carregado da rede, Entrecampos-Campo Pequeno, no período de ponta da manhã, em vez dos 5 minutos e 5 segundos na linha de que faz parte este troço", explica o estudo. Também o intervalo entre comboios na linha Azul, com o acréscimo estimado de procura na rede, "reduzirá de 5 minutos e 45 segundo para 4 minutos no período de ponta da manhã".
Já na linha Vermelha, haverá uma pequena redução do intervalo entre comboios no corpo do dia. E na futura linha amarela esse intervalo reduzirá 50 segundos no período da manhã, sendo também no corpo do dia "muito beneficiado". O estudo salienta que devido ao maior movimento de passageiros na actual linha amarela "se situar entre Rato e Campo Grande, geralmente a linha é explorada com comboios alternados até Odivelas e até Campo Grande, o que deixará de acontecer".

47% ganham frequência e reduzem transbordos

De acordo com o estudo, da população residente global da Área Metropolitana de Lisboa potencialmente abrangida pela alteração do metro, num total de 402.493 pessoas, 47,2% pertence ao grupo que apresenta um ganho de frequência e diminuição de transbordos, 47,2% ao grupo que apresenta um ganho de frequência e opções de entrada e 5,6% apresenta um ganho de frequência em paralelo com o aumento de transbordos.

O documento conclui que a opção pela linha circular, face à manutenção das duas linhas independentes, vai permitir um ganho de 8.932.833 novos passageiros na rede face ao existente, o que elevará a que no período de 30 anos de operação sejam captados mais cerca de 318 milhões de passageiros.

O estudo salienta ainda o facto deste prolongamento da rede, além de servir mais população, também "proporcionar um melhor serviço". Sublinha que os efeitos negativos que o projecto implicará na fase de construção (ruído, poeiras/poluentes atmosféricos emitidos pelas viaturas e máquinas afectas à obra e afectação do sistema de mobilidade) terminam na fase de exploração, realçando que a redução da circulação automóvel é "um dos principais benefícios ambientais do projecto".

Autor: Negócios

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias