"Falsidades, nulidades e ilegalidades": defesa de Rui Pinto arrasa Ministério Público

Advogados dizem que MP quer silenciar e destruir o hacker

Rui Pinto
Hacker Rui Pinto
Rui Pinto
Rui Pinto
Hacker Rui Pinto
Rui Pinto
Rui Pinto
Hacker Rui Pinto
Rui Pinto

A defesa do pirata informático Rui Pinto arrasa em comunicado o Ministério Público (MP) após a acusação de 147 crimes publicada esta quinta-feira.

"Com a acusação agora tornada pública e o pedido de manutenção da prisão preventiva, confirma-se a vontade do Ministério Público de silenciar e destruir Rui Pinto, evitando que prossiga a colaboração que vinha mantendo com as autoridades de investigação de outros países", pode ler-se no comunicado.

A defesa do hacker, em nome de Francisco Teixeira da Mota, lamenta ainda que o MP "consiga evitar que a SAD de um clube de futebol seja pronunciada". "Consegue descobrir 147 crimes contra o seu constituinte e enquanto em Espanha a Doyen é objecto de processos fiscais e criminais, em Portugal goza do beneplácito das autoridades de investigação", lê-se também no comunicado.

"Por último, acrescenta-se que a acusação deduzida contra Rui Pinto contém numerosas falsidades, nulidades e ilegalidades a que a defesa irá reagir no processo no seu devido tempo", conclui a defesa de Rui Pinto.

Recorde-se que o pirata informático foi acusado pelo MP dos crimes de acesso ilegítimo, extorsão na forma tentada, sabotagem informática e violação de correspondência.

O pirata informático foi acusado de 63 crimes de violação correspondência, 75 de acesso ilegítimo, sendo que um é na forma agravada, um de extorsão na forma tentada, um de sabotagem informática e sete de violação de correspondência na forma agravada.

Por Correio da Manhã
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.