Governo escolhe Abanca e Capitec para ficarem com bancos da Caixa

Conselho de Ministros seguiu as recomendações da administração do banco.

O Governo seleccionou o Abanca, em Espanha, e o Capitec, na África do Sul, para ficarem com as instituições financeiras que pertencem à Caixa Geral de Depósitos, seguindo aquelas que eram as propostas da administração do banco público, conforme o Negócios tinha noticiado.

A decisão do Executivo foi comunicada esta quinta-feira, 22 de Novembro, depois da reunião do Conselho de Ministros, pelo Tiago Antunes, secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, em conferência de imprensa.

A Caixa Geral de Depósitos queria ter a decisão do Governo ainda este ano, e assim ocorreu. Em causa está a venda da totalidade das acções dos dois bancos do grupo. Tiago Antunes remeteu mais pormenores para esta tarde, pela voz do banco liderado por Paulo Macedo. 

A decisão é do Governo (onde o dossiê foi liderado por Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças), porque, por serem entidades do banco público e por se ter seguido modelos de privatização, é dele a responsabilidade de centralizar todo o dossiê, nomeadamente depois dos relatórios entregues pela CGD. O preço, as condições impostas, a ligação às comunidades e economia portuguesa, o projecto estratégico e a idoneidade eram critérios que tinham de estar na base da escolha dos vencedores.

A escolha do Conselho de Ministros segue-se à opção da gestão da Caixa Geral de Depósitos, que o Negócios tinha já noticiado em Outubro que ia no sentido de a proposta do Abanca ser a melhor para ficar com o banco em Espanha e a oferta do Capitec a escolhida para o Mercantile.

O grupo galego que fica com o Abanca está presente em Portugal, e encontra-se neste momento em processo de aquisição da unidade de retalho nacional do Deutsche Bank para expandir a sua posição. A sua proposta pela filial espanhola da CGD foi escolhida em detrimento das ofertas do também banco espanhol Cajamar e do fundo americano Cerberus. 

Já em África do Sul, o Capitec é a oferta escolhida num grupo de quatro concorrentes com ofertas vinculativas: do consórcio composto pela Arise BV e Grindrod Limited, do banco Nedbank e ainda do consórcio Riqueza, composto pela Public Investment Corporation e Bayport Financial Services. 

A CGD está a vender unidades no estrangeiro, a que se vai juntar o Brasil e uma redução do peso em Cabo Verde e Moçambique, por conta do plano estratégico negociado pelo Estado e Bruxelas devido à capitalização de 4,9 mil milhões de euros recebida em 2017.

Governo não menciona preço

Na conferência de imprensa, não foram revelados pormenores para a decisão do Governo, nem o preço das ofertas vencedoras. Mais detalhes serão, disse Tiago Antunes, divulgados pelo banco liderado por Paulo Macedo. Certo é que a Caixa Geral de Depósitos não tem quaisquer imparidades constituídas para a sua participação de 100% no Mercantile Bank. O activo está registado por cerca de 129 milhões de euros, e não há qualquer imparidade associada. No processo, o investidor escolhido tem de avançar com o pagamento inicial de 110 milhões de rands sul-africanos (6,7 milhões de euros, ao câmbio actual). Em Espanha, já houve a antecipação de perdas com o BCG ao longo dos anos, estando, após imparidades, avaliado em 222 milhões de euros.

Autor: Negócios

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.