Governo francês culpa "bandidos" e "idiotas" por distúrbios em Paris

Ministro do Interior, Christophe Castaner, revelou que 264 pessoas foram detidas

confrontos primeiro ano coletes amarelos
confrontos primeiro ano coletes amarelos

O ministro do Interior de França, Christophe Castaner, definiu como "bandidos" e "idiotas" os responsáveis pelos confrontos que marcaram o primeiro aniversário do arranque do movimento dos coletes amarelos. Em Paris, o dia ficou marcado por montras destruídas e carros vandalizados, incluindo um carro da polícia que foi virado ao contrário. Durante o dia, a polícia retirou manifestantes que tentavam bloquear uma passagem e disparou repetidos jatos de gás lacrimogéneo contra grupos reunidos perto de Porte de Champerret, no noroeste, e da Place d'Italie, no sudeste da cidade.

"Ontem [sábado], o que vimos, além de poucos manifestantes legítimos, foram bandidos, agressores e idiotas", disse em declarações à rádio Europe 1. O governante adiantou ainda que 264 pessoas foram detidas em França, incluindo 173 na capital. 

Os protestos de Paris fizeram parte de um conjunto de ações previstas para sábado em todo o país, nomeadamente nas estradas onde o movimento inicialmente se estabeleceu, em novembro de 2018, em protesto contra os planos do governo do presidente, Emmanuel Mácron, para aumentar os impostos sobre o combustível.

No ano passado, os protestos dispersos irromperam numa efusão nacional de raiva contra a injustiça social e económica sentida – e especialmente contra o centrista e "pró-empresas" Macron. O chefe de estado recuou no imposto de combustível e ofereceu 10 mil milhões de euros em medidas para lidar com as preocupações dos manifestantes.

Por Sábado
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.