Indústria têxtil contesta “discriminação” das máscaras comunitárias

Lembra que as que são certificadas pelo CITEVE, “têm um nível de eficácia de retenção de partículas ao mesmo nível das cirúrgicas”

Os industriais do têxtil e do vestuário reclamam que as máscaras comunitárias já "foram utilizadas por milhões de pessoas, tendo demonstrado serem capazes de as proteger adequadamente" durante a pandemia de covid-19.

Após Alemanha e Áustria decidirem proibir o uso das máscaras têxteis nos espaços públicos, como os transportes públicos ouas lojas, as duas associações mais representativas da indústria portuguesa lembram que as máscaras certificadas de nível 2, com filtração de partículas acima de 90%, "têm um nível de eficácia de retenção de partículas ao mesmo nível das cirúrgicas".

"Qualquer discriminação relativa às máscaras de nível 2 não tem nenhuma razão sustentada cientificamente", criticam os presidentes da ATP, Mário Jorge Machado, e da Anivec, César Araújo, num comunicado conjunto divulgado esta quarta-feira 27 de janeiro.

No início da pandemia, as autoridades portuguesas categorizaram estas máscaras por tipo de utilizador. E se as de nível 3 foram destinadas à população em geral, com um desempenho da filtração de partículas "apenas" acima de 70%, as de nível 2, com um grau de proteção acima de 90%, dirigiam-se a profissionais que, não sendo da saúde, estão expostos ao contacto com um elevado número de indivíduos.

No caso das semi-máscaras de proteção (FFP), que estão a ser aconselhadas pelos alemães por filtrarem também as partículas mais finas no ar que podem conter agentes infeciosos, os requisitos de filtragem são iguais ou superiores a 94% no caso do modelo FFP2 e sobem acima de 98% no caso das FFP3.

A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) já veio dizer que "deve ser considerada a obrigatoriedade de uso de máscaras cirúrgicas", mas assinalou que, em alternativa,  pode igualmente ser considerado o uso de "máscaras comunitárias certificadas pelo CITEVE que, cumprindo os critérios de filtração de partículas, respirabilidade e boa adesão à face e nariz, conferem uma proteção comparável".

"Nos contextos de maior risco, nomeadamente os cuidadores de doentes ou famílias com elementos infetados por covid-19, ou situações associadas a maior aerossolização e disseminação de gotículas respiratórias", a SPP referiu que deverá ser equacionado o uso de máscaras FFP2.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.