José Eduardo: «Tudo o que disse sobre Marco Silva foi-me transmitido pela administração»

Antigo jogador falou em tribunal sobre as acusações feitas ao ex-treinador

• Foto: Sérgio Lemos

José Eduardo garante que as acusações que fez a Marco Silva, numa entrevista à RTP há cerca de dois anos, foi com base em informações que recebeu de dentro do Sporting. "Tudo o que disse foi-me transmitido pela administração do Sporting", garantiu em tribunal, no último dia em que foram ouvidas testemunhas no processo interposto pelo antigo treinador dos leões à antiga glória leonina.

O empresário explicou que se sentiu "atingido pelo comportamento de Marco Silva". "Tudo o que disse foi o que ouvi nos corredores de Alvalade. A entrevista à RTP não foi encomendada, eles é que quiseram falar comigo e eu estava a caminho de Berlim", contou, acrescentando que "não disse tudo" o que ouviu.

"Não disse que Marco Silva não colaborava com as ações de solidariedade do Sporting e que deixou de colaborar com o projeto Balneário Sporting. Revela bem o carácter de Marco Silva. Estive dois anos calado e finalmente tenho liberdade para dizer estas coisas", acrescentou.

José Eduardo sublinhou ainda que o treinador "estava contra os interesses do Sporting, não se identificou com o Sporting, tal como não se identificou com os do Olympiacos". "É reincidente, foi a segunda vez, vamos ver se não haverá uma terceira", anunciou.

Também Virgílio Lopes e Augusto Inácio prestaram declarações, ambos arrolados como testemunhas por José Eduardo. Do lado de Marco Silva, João Coimbra, seu antigo jogador no Estoril, foi ouvido pelo juiz. O testemunho de Rui Patrício, que tinha audiência marcada para hoje, foi prescindido.

O julgamento termina na próxima terça-feira, dia 20, quando forem feitas as alegações finais por parte dos dois advogados.

Por Pedro Gonçalo Pinto
95
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Ministro Eduardo Cabrita demite-se

Decisão surge depois do Ministério Público acusar o motorista do ministro de homicídio negligente no acidente que matou um homem na A6

Notícias