Loja do Gato Preto apanhada em caso de contrabando

Sócios e a empresa já esconderam muitos milhões na Operação Furacão. Os crimes acabaram 'perdoados'

• Foto: Vítor Mota

Os sócios e a empresa já esconderam muitos milhões na Operação Furacão. Os crimes acabaram 'perdoados'. Agora, o fisco constituiu-os arguidos num processo de contrabando e falsificação em negócios com a China.

"Mais indiciam os autos que tais mercadorias [artigos de mesa em porcelana] foram, ao que tudo faz suspeitar, com o conhecimento e sob instruções da Loja do Gato Preto, Artesanato e Decoração, Lda, transportadas de portos na República Popular da China para o porto de Klang, na Malásia, onde a mesma foi reexpedida para Portugal, acompanhada de documentação destinada a fazer crer às autoridades aduaneiras nacionais de que tais produtos eram originários desse país e não da República Popular da China."

Esta é uma das justificações que consta no mandado do Ministério Público (MP) que justificou, em junho de 2017, a operação de busca e apreensão (e também a quebra do sigilo fiscal) da popular empresa portuguesa com sede em Linda-a-Velha, no concelho de Oeiras.

Leia o exclusivo da revista Sábado

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.