Mais de 60% antevê austeridade e férias só na área de residência

Inquérito realizado pela Universidade Católica mostra o efeito da pandemia no turismo interno

Albufeira sente o efeito das restrições impostas pelo governo de Boris Johnson
Albufeira sente o efeito das restrições impostas pelo governo de Boris Johnson

O primeiro-ministro tem procurado afastar o cenário de adoção de medidas de austeridade devido à pandemia de covid-19, mas 66% dos portugueses duvidam deste discurso de António Costa e acreditam que serão mesmo implementadas novas medidas restritivas nos próximos dois anos.

Este é um dos dados em destaque no inquérito realizado pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (CESOP) da Universidade Católica para o Público e RTP, em que 24% dos que responderam, entre 13 e 17 de Julho, anteciparam que a austeridade se manterá ao mesmo nível durante este período.

Mais pobre, com maior desigualdade social e também com menos emprego. Assim ficará o país até 2022, segundo o estudo publicado esta segunda-feira, 20 de julho, que mostra também que quase três quartos dos inquiridos que tinham emprego antes da pandemia já voltaram ao local habitual de trabalho, estando ainda 13% em teletrabalho e 3% em lay-off.

Por outro lado, 60% dos 1.217 entrevistados pelo CESOP afirmaram que não irão passar férias fora da zona de residência habitual neste verão, que fica marcado pela situação sanitária relacionada com o novo coronavírus e com a crise económica associada. Entre os que preveem sair nas próximas semanas, 35% vão para o Algarve, 26% para o Norte, 19% para o Centro e 16% para o Alentejo.

Por Negócios
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.