Marcelo pede "humildade cívica" e "grandeza de alma para convergências"

Discurso na sessão solene do 5 de Outubro

• Foto: Lusa

O Presidente da República pediu esta quinta-feira "humildade cívica" para reconhecer o que corre bem e mal e insistiu com os protagonistas políticos para que pensem mais a prazo e tenham "grandeza de alma para fazer convergências".

No seu discurso na sessão solene do 5 de Outubro, Marcelo Rebelo de Sousa ressalvou, contudo, que "a existência de alternativa quanto à governação é sempre preferível às ambiguidades diluidoras, que só reforçam os radicalismos anti-sistémicos", e que é importante os cidadãos saberem que "dispõem de vários caminhos de escolha".

Quatro dias após as eleições autárquicas, o chefe de Estado afirmou que a democracia política precisa de "protagonistas capazes de olhar para o médio e o longo prazo, ultrapassando o mero apelo dos sucessivos atos eleitorais, sendo certo que não há sucessos eternos nem revezes definitivos".

Mais à frente, defendeu que a celebração anual da República deve servir para se fazer um balanço daquilo que, "no último ano, construiu ou fortaleceu a democracia, e do que a corroeu ou enfraqueceu", num "exercício de humildade cívica", e para se assumir "um compromisso com o futuro".

Neste contexto, retomou a sua mensagem de apelo a acordos de regime.

Segundo o Presidente da República, é essencial assegurar aos cidadãos "que os seus responsáveis políticos e sociais têm a grandeza de alma para fazer convergências no verdadeiramente essencial, mantendo as frontais e salutares divergências naquilo que o não é".

"Se, ano após ano, e também este ano, mostrarmos a coragem necessária para sublinharmos o que correu bem ou muito bem - mesmo que isso, aparentemente, favoreça outros que não nós -, e para reconhecermos o que correu mal, ou mesmo muito mal - ainda que isso nos apareça como intolerável fragilidade própria, se assim for -, o 05 de Outubro continuará a valer a pena", considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que, assim, "a República Democrática será mais do que uma conquista histórica, ou umas centenas de artigos da Constituição, ou uma proclamação para sessões solenes".

"Eu acredito que somos capazes deste exercício de humildade cívica. De afirmar êxitos, sem complexos ou arrogâncias. De confessar fracassos, sem temores ou inibições. E de assumir que, no futuro, teremos de ser igualmente perseverantes no que fizemos de certo, e radicalmente melhores no que fizemos de errado ou de insuficiente - ou, pura e simplesmente, não fizemos. Só assim honraremos uma democracia de mais de quatro décadas, uma República centenária, uma nação com quase nove séculos de história", concluiu, declarando "Viva a República, viva Portugal".

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.