New York Times destaca Festa do Avante como exceção na Europa

PCP diz ter sido alvo de regras "mais exigentes".

"O Partido Comunista Português recebe um OK para evento com 16.500 pessoas", lê-se no título da notícia publicada esta segunda-feira no The New York Times. A notícia, assinada pela agência Associated Press, foi publicada no dia em que se ficou a saber que a Direção-Geral de Saúde permitira ao PCP organizar a sua típica festa anual com uma lotação máxima de 16.500 pessoas, metade das que o partido tinha anunciado.

O eurodeputado do CDS, Nuno Melo, partilhou a notícia na sua conta oficial de Twitter com a mensagem: "A festa do Avante a surpreender o mundo. Parabéns camaradas". A notícia refere na entrada que esta autorização tem um número "anormalmente alto para ajuntamentos na Europa durante a pandemia de coronavírus". A notícia surge em dezenas de jornais mundiais, incluindo o protal noticioso da Microsoft.

A notícia dá ainda conta da contestação que muitos setores da sociedade têm feito por as autoridades terem cortado o número de pessoas que podiam assistir a eventos públicos, mas por permitirem a presença de tantas pessoas na festa comunista. 

The New York Times refere que o anúncio surge aquando "de o governo de centro-esquerda Socialista está à procura de apoio político de outros partidos, incluindo os comunistas, para o orçamento de 2021". 

É ainda referido que a diretora-Geral de Saúde que lembrou que "há um risco real que, durante o evento, pessoas infetadas com e sem sintomas podem circular pelo recinto" e que a ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou que as regras "foram bem pensadas".

Por Sábado
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.