Novo Banco vende carteira de malparado de 3,3 mil milhões à Davidson Kempner

De acordo com a Bloomberg, a venda deverá ficar concluída ainda esta semana

O Novo Banco já escolheu o comprador da sua carteira de crédito malparado de 3,3 mil milhões de euros, uma das maiores de sempre transacionada em Portugal. De acordo com a Bloomberg, citando fonte próxima do processo, o vencedor foi a Davidson Kempner.

O fundo norte-americano acabou por ficar à frente numa corrida à carteira, conhecida por "Nata 2", que contou também com a participação da Bain Capital. Ambos avançaram com propostas vinculativas, conforme foi avançado pela agência de notícias no mês passado.

A venda, esclarece ainda, citando duas fontes, deverá ficar concluída ainda esta semana. Contactados pela Bloomberg, representantes da Bain e da Davidson Kempner não quiseram comentar. Da parte do Novo Banco, ainda não foi possível obter um comentário. 

O banco liderado por António Ramalho tem vindo a reforçar as vendas de crédito malparado, no sentido de "limpar" o legado deixado pelo Banco Espírito Santo. Tal como o Negócios avançou no mês passado, o Novo Banco concluiu entretanto a venda da carteira que ficou conhecida como Sertorius. Em causa estavam cerca de 400 milhões de euros em imóveis, que passaram para as mãos do fundo Cerberus.

Numa entrevista publicada em julho pela Reuters
, o "chairman" do Novo Banco, Byron Haynes, disse que o interesse dos investidores nestas duas carteiras era "muito alto". Estas duas operações vão ajudar o Novo Banco a reduzir para menos de metade o rácio de crédito malparado, atingindo os 10%. 

O rácio de Non-Performing Loans (NPL) caiu para 20,7% até junho, em comparação com 27,6% registados nos primeiros seis meses do ano passado.

Por Negócios
1
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.