Parlamento aprova novo estado de emergência que já prevê "confinamento compulsivo"

Novas medidas entram em vigor na terça-feira

parlamento assembleia da republica
parlamento assembleia da republica

O Parlamento deu luz verde ao decreto presidencial que estabelece a renovação do estado de emergência, que agora permanecerá em vigor a partir das 00:00 horas de 24 de novembro e até às 23:50 de 8 de dezembro.

A renovação foi aprovada apenas com os votos favoráveis de PS e PSD. O CDS, PAN e o Bloco de Esquerda abstiveram-se, enquanto PCP, Verdes, Chega e Iniciativa Liberal votaram contra.

A deputada não inscrita Cristina Rodrigues também votou favoravelmente.

Trata-se do quinto estado de emergência desde a eclosão da pandemia em Portugal e o segundo desde o início da segunda vaga. 

Mas ao contrário das medidas mais leves previstas no estado de emergência em vigor até 23 de novembro, este renovado estado de exceção prevê o endurecimento das restrições, como por exemplo o "confinamento compulsivo" ou o encerramento de empresas, e a possibilidade de nivelamento das medidas em função dos diferentes níveis de contágio por concelho, que serão escalonados mediante três níveis distintos de restrições. Esta quinta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, admitiu que no domingo haja concelhos a sair da lista de alto risco de contágio. 

Governo e presidência da República consideram necessário reforçar as medidas de contenção da pandemia numa altura em que novembro, pese embora não tenha ainda terminado, é já o mês com maior número de mortes pela covid-19 e com mais novos casos de infeção pelo novo coronavírus. Um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública hoje noticiado pelo Público dá conta de que é cada vez maior o número de portugueses que consideram as medidas contra a pandemia pouco ou nada adequadas.

Por Negócios
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.