Record

Paulo Pereira Cristóvão e Mustafá calados no julgamento

Acusados de participarem em assaltos violentos a residências

• Foto: Pedro Ferreira
O ex-inspetor da Polícia Judiciária e antigo vice-presidente do Sporting, Paulo Pereira Cristóvão, e o líder da claque Juventude Leonina, Nuno Vieira Mendes, mais conhecido pela alcunha de ‘Mustafá’, remeteram-se ontem ao silêncio, no início da repetição do julgamento relacionado com assaltos violentos a residências.

Além destes dois indivíduos, existem mais 15 arguidos, onde se incluem três agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP), acusados de pertencerem a uma alegada rede criminosa de assaltos a residências na região de Lisboa.

Deste lote, apenas dois arguidos aceitaram a prestar declarações. Já Paulo Pereira Cristóvão e Mustafá remeteram-se ao silêncio, mas reservaram o direito de falar numa fase posterior. Refira-se que este julgamento está a ser repetido no Tribunal de Cascais, após o Supremo Tribunal de Justiça ter anulado o primeiro.

A agente da PSP, Telma Freitas, confessou-se "arrependida" e admitiu ter participado num assalto com Elói Fachada (também agente da PSP) e Serge Torres, enquanto o agente Luís Conceição ficou a fazer vigilância.

O testemunho posterior de Serge Torres apresentou uma contradição ao afirmar, numa primeira fase, que tinha visto Mustafá e o irmão numa carrinha relacionada com o assalto e, ontem, garantiu só ter visto a viatura.

O julgamento recomeça no dia 20 de fevereiro, com a continuação da audição a Serge Torres.
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fora de Campo

Notícias