Procuradora do caso Rui Pinto abandona DCIAP

Informação avançada pela 'Sábado'

Desmotivação, cansaço e processos disciplinares. São estes os três principais motivos que estão a levar 15 procuradores a sair do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), onde correm as maiores investigações do País, como o BES, Caixa Geral de Depósitos e Parcerias Público-Privadas e por onde passoi, por exemplo, a Operação Marquês e, mais recentemente, o caso da Máfia do Sangue. Uma das procuradoras que decidiu sair é, segundo a 'Sábado', Patrícia Barão, uma magistrada que integrava a equipa especial de investigação à corrupção no futebol e que foi responsável pelo processo do hacker Rui Pinto, acusando-o, entre outros crimes, de tentativa de extorsão.

10
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias