Sete deputados abandonam Partido Trabalhista em oposição ao Brexit

Vão criar um grupo independente na Câmara dos Comuns do parlamento britânico

Labour
Labour

Ficam ainda mais baralhadas as contas do Brexit, isto depois de sete deputados trabalhistas terem decidido abandonar o Labour e criar um grupo independente na Câmara dos Comuns do parlamento britânico.

Os sete deputados anunciaram na manhã desta segunda-feira, 18 de fevereiro, a saída do Partido Trabalhista com a justificação de que o secretário-geral Jeremy Corbyn afastou o Labour da sua génese ideológica e falhou no combate ao antissemitismo.

A saída dos deputados Chuka Umunna, Luciana Berger, Gavin Shuker, Angela Smith, Chris Leslie, Mike Gapes e Ann Coffey representa a maior cisão interna desde 1981, escreve o The Guardian.

O deputado Chuka Umunna revelou que já encetaram contactos no sentido de integrar neste novo movimento parlamentares de outras forças políticas.

Esta revelação surge numa fase em que a imprensa britânica tem vindo a dar conta da possibilidade de deputados conservadores descontentes com a primeira-ministra Theresa May poderem também abandonar o Partido Conservador.

A razão para esta dissidência prende-se sobretudo com a estratégia titubeante de Corbyn em relação ao processo de saída do Reino Unido da União Europeia, com críticas ao facto de o Labour não poder ser agente de mudança dado ter-se tornado parte do problema.

Por outro lado, o deputado Gavin Shuker lamentou o afastamento do partido em relação aos tradicionais valores moderados, numa crítica ao posicionamento mais à esquerda de Corbyn, enquanto a deputada Luciana Berger, que é judia, criticou as posições antissemitas da ala mais radical trabalhista e a incapacidade da direção do partido em controlar e se demarcar deste tipo de "cultura".

Cisão a dias de votação do Brexit

Os sete deputados trabalhistas dissidentes partilham uma posição moderada e pró-europeia, e pretendiam que Jeremy Corbyn apoiasse frontalmente a realização de um segundo referendo sobre a permanência britânica na UE.

Na próxima semana, a 26 de fevereiro, os parlamentares deverão votar um acordo de saída alternativo à solução inicialmente acordada entre Londres e Bruxelas e que foi rejeitada pela larga maioria dos deputados britânicos.

Um mês depois dessa derrota história e depois de nova derrota parlamentar na semana passada – ainda assim somente revista de valor simbólico e não vinculativo – a estratégia da primeira-ministra Theresa May persiste a mesma: garantir cedências de Bruxelas quanto à cláusula de salvaguarda para evitar o restabelecimento de controlos rígidos na fronteira irlandesa de forma a assegurar os apoios necessários dos conservadores "hard brexiters" e dos unionistas irlandeses (DUP).

Com o aproximar de nova data crucial para o Brexit, a Bloomberg avançou esta manhã que ao longo dos próximos dias vários ministros do governo conservador vão visitar algumas das principais capitais europeias a fim de granjear os apoios necessários para alterações vinculativas ao acordo que os líderes europeus têm reafirmado ser inegociável.

Theresa May comprometeu-se a, no caso de não conseguir apresentar uma solução alternativa para um acordo de saída, reabrir do zero a discussão parlamentar sobre a saída da UE.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0