TAP aumenta oferta de obrigações para 200 milhões de euros

Sinal de que estará a receber uma forte procura por parte dos investidores de retalho

A TAP decidiu elevar o valor da oferta pública de subscrição de obrigações de 50 milhões de euros para 200 milhões de euros, um sinal de que estará a receber uma forte procura por parte dos investidores de retalho.

Em vez de 50 mil títulos, a companhia aérea vai emitir 200 mil obrigações no retalho, refere uma adenda ao prospeto da emissão que foi publicado na CMVM.

Assim, a TAP atualizou também o valor líquido que pretende captar com esta operação, que ascende a 194,8 milhões de euros. Aos bancos responsáveis pela colocação dos títulos a TAP pagará um máximo de 4,74 milhões de euros. Os custos com consultores, auditores e publicidade são de 330 mil euros e os custos com a CMVM, a Interbolsa e a Euronext são estimados em 98.700 euros. 

Esta oferta destinada aos investidores de retalho arrancou a 3 de junho, sendo que terá sido a procura elevada manifestada pelos investidores nestes dias que levou a companhia aérea a elevar em quatro vezes o montante que pretende colocar.

O período de subscrição desta que é a primeira emissão da TAP no retalho termina a 18 de junho e as obrigações serão admitidas na bolsa portuguesa a 24 de junho.  

As obrigações, com um prazo de quatro anos, pagam uma taxa de juro bruta de 4,375%, sendo que no prospeto a TAP calcula que a taxa de rendibilidade ilíquida de impostos é de 4,42232% (pressupõe a capitalização dos juros recebidos) e a taxa líquida de impostos é de 3,17453%. 

Cada título a emitir tem um preço de mil euros e paga juros semestrais ao longo dos quatro anos da emissão. As datas de pagamento estão previstas para 24 de junho e 24 de dezembro de cada ano, "exceto o último pagamento de juros, que está previsto ocorrer na data de reembolso das Obrigações TAP 2019-2023, ou seja, em 23 de junho de 2023".

O Haitong Bank é o banco organizador e coordenador global da emissão. O ActivoBank, o Banco Best, o Banco L.J. Carregosa, o Banco Montepio, o Bankinter, o CaixaBI, a CCCAM, a CGD, o Haitong Bank, o Millennium bcp e o Novo Banco atuam como bancos colocadores.

A oferta da TAP chega ao mercado após um período de ausência de emissões de dívida para o retalho. À exceção das SAD dos clubes de futebol – o Benfica foi o último a emitir dívida, com uma taxa de 3,75% a três anos – e da Mota-Engil, que colocou 110 milhões de euros em títulos a quatro anos, em novembro de 2018, há vários anos que as empresas não procuravam esta via de financiamento nos mercados.

Já depois da emissão da TAP ter chegado ao mercado, a SIC anunciou uma emissão de 30 milhões de euros cujo período de subscrição arranca na próxima semana.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.