Trump vai acionar emergência nacional para ter dinheiro para o muro

A paralisação dos serviços públicos federais durou 35 dias

trump donald
Mexico EUA estados unidos fronteira muro
trump donald
Mexico EUA estados unidos fronteira muro
trump donald
Mexico EUA estados unidos fronteira muro

Os receios de que amanhã à meia-noite os serviços federais dos EUA ficassem uma vez mais sem financiamento estão, para já, postos de lado. O líder da maioria republicana no Senado dos EUA, Mitch McConnell, declarou esta quinta-feira que o presidente Donald Trump dará luz verde ao plano de financiamento delineado pelo Congresso.

Mas há um mas… o chefe da Casa Branca acionará a emergência nacional para garantir mais dinheiro e conseguir assim construir o muro ao longo da fronteira com o México, disse McConnell, citado pela Business Insider.

Ou seja, com a aprovação de Trump, acabam os receios de um novo "shutdown", mas o presidente poderá conseguir levar a melhor em relação ao dinheiro que pretende obter para a construção do muro ao longo da fronteira com o México.

Recorde-se que termina esta sexta-feira à meia-noite o prazo de três semanas que permitiu que os serviços públicos do governo federal dos EUA tivessem financiamento para funcionarem em pleno. A paralisação dos serviços públicos federais durou 35 dias, de 22 de dezembro a 18 de janeiro, dia em que Donald Trump e o Congresso chegaram a acordo para pôr fim ao "shutdown" até 15 de fevereiro.

O acordo foi conseguido através de um financiamento temporário que permitiu a normalização dos serviços públicos enquanto prosseguem as negociações sobre como garantir a segurança da fronteira dos EUA com o México.

Trump ameaçou impor novo "shutdown" a partir desta data se não lhe dessem o dinheiro que pretende para a construção do muro ao longo da fronteira com o México (5,7 mil milhões de dólares).

Entretanto, na noite da passada segunda-feira, 11 de fevereiro, quatro negociadores democratas e republicanos do Congresso dos EUA estiveram em Washington a tentar delinear um plano de financiamento da segurança fronteiriça que tivesse a aprovação do Senado e da Câmara dos Representantes, a fim de se evitar um novo "shutdown". E conseguiram chegar a um "acordo de princípio".

No dia seguinte, Trump veio dizer que, apesar de não estar satisfeito com o plano delineado, considerava improvável um novo "shutdown", o que aliviou os mercados.

Esse acordo prevê um pacote de 1,37 mil milhões para nova vedação ao longo de 90 quilómetros na fronteira entre os EUA e o México – mas essa vedação só pode ser construída com o desenho atualmente vigente, como os pilaretes de aço. Esse dinheiro será também canalizado para instalações de retenção de imigrantes, com camas suficientes para quem espera uma possível deportação.

Em resposta, a mensagem de Trump, apesar de não apontar para nova paralisação dos serviços governamentais, foi dúbia: "não creio que assistamos a um ‘shutdown’. Se isso acontecer, será culpa dos democratas".

Trump reiterou recentemente que poderia, por lei, recorrer ao estado de emergência nacional para aceder ao dinheiro que diz precisar para construir o muro ao longo da fronteira com o México. Mas os próprios republicanos já advertiram o presidente que uma medida dessa natureza poderá constituir um grande problema em termos jurídicos.

Contudo, McConnell anunciou agora que Trump assinará a proposta bipartidária de financiamento mas que, ao mesmo tempo, tomará uma medida executiva: acionar a emergência nacional, para conseguir mais recursos para as barreiras físicas que propôs ao longo da fronteira com o México.

O plano de financiamento delineado por democratas e republicanos prevê mais de 300 mil milhões de dólares para financiar o Departamento de Segurança Nacional, Departamento da Justiça, do Comércio, de Estado, da Agricultura, da Receita Federal e mais um leque de agências governamentais até 30 de setembro – abrangendo cerca de 800.000 trabalhadores federais.

Autor: Negócios

1
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.