Vítima no processo 'Pereira Cristóvão e Mustafá' relata esquema violento

«Com as armas apontadas, foram diretos ao cofre e obrigaram-me a abrir»

• Foto: Pedro Simões

Ontem foi dia de nova sessão do julgamento que senta o ex-inspetor da Polícia Judiciária, Paulo Pereira Cristóvão, e o líder da claque Juventude Leonina, Mustafá, no banco dos réus, eles que estão acusados de crimes de associação criminosa, roubo violento, falsificação de documentos, entre outros. A sessão ficou marcada pelo relato da primeira vítima do gang, Cristiano Martins.

"Bateram à porta, disseram que eram da PJ e mostraram um papel, supostamente um mandado de busca, mas nem o deixaram ler. Com as armas apontadas, foram diretos ao cofre e obrigaram-me a abrir. Tiraram todo o dinheiro, cerca de 145 mil euros, e depois foram embora", disse o empresário.

O crime foi cometido por três elementos da PSP – Elói Fachada, Luís Conceição e Telma Freitas –, que usaram as fardas e as armas de serviço, e por Mário Lopes, um ajudante de serralheiro. O dinheiro do assalto foi, posteriormente, entregue a Mustafá e Paulo Pereira Cristóvão, conforme relatado nas sessões anteriores.

4
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias