Jorge Ferreira de "consciência absolutamente tranquila"

Árbitro diz que vai avaliar a forma de defender a integridade física e a honra

• Foto: José Moreira

O árbitro Jorge Ferreira afirma em comunicado divulgado esta terça-feira e redigido pelos seus advogados estar "de consciência absolutamente tranquila quanto às arbitragens que ao longo da sua carreira efetuou, sendo que reconhece, como não poderia deixar de o fazer, que cometeu erros, os quais nunca o foram de forma intencional."

Muito contestado pela arbitragem feita na capital do móvel, que alegadamente teria favorecido o Benfica, Jorge Ferreira nega ser sócio da Casa do Benfica de Fafe e anunciou que vai "ponderar o comportamento a adoptar, designadamente se vai recorrer à via judicial, para defender a sua integridade física, a sua honra, a sua dignidade e a sua carreira profissional, de que tanto gosta e pela qual diariamente luta."

Leia o comunicado na íntegra:

"O clima de crispação que se vive actualmente no futebol nacional, e que é diariamente fomentado por dirigentes desportivos, comentadores televisivos que intervém em representação dos clubes denominados "grandes", treinadores e outros atores desportivos, que apoiados numa comunicação social que visa o aumento dos "shares" e a "venda" do seu produto, sem olhar a meios e consequências, coloca em causa a dignidade, a honra, o profissionalismo e a carreira, daqueles que acabam envolvidos, apenas porque por dever de ofício intervém no "espectáculo" que é o futebol.

Nesse contexto, Jorge Ferreira, conhecido árbitro de futebol, foi "protagonista", por razões que bem dispensava, na sequência de uma arbitragem que efectuou ao jogo de futebol Paços de Ferreira-Benfica.

E a verdade é que, na sequência de insinuações, de calúnias, de falsidades que, nomeadamente o ligam à Casa do Benfica de Fafe, "incendiaram" alguns sentimentos clubísticos contra a sua pessoa, ao ponto de um grupo conhecido por integrar a claque dos "Super Dragões", se ter dirigido a Fafe, ao restaurante propriedade do seu pai, com o intuito de intimidar, coagir, ameaçar, insultar, difamar e condicionar Jorge Ferreira.

Nesse contexto e após tudo quanto entretanto se referiu, quer Jorge Ferreira, deixar expresso o seguinte:

1-Está de consciência absolutamente tranquila quanto às arbitragens que ao longo da sua carreira efectuou, sendo que reconhece, como não poderia deixar de o fazer, que cometeu erros, os quais nunca o foram de forma intencional;

2-No jogo Paços de Ferreira-Benfica, efectuou a arbitragem nos termos e nos modos que todos puderam verificar, sendo que as suas decisões, sempre tomadas no ínfimo momento que possui para decidir, foram de acordo com a análise que efectuou dos respectivos lances;

3-Não é nem nunca foi sócio fundador ou de outra qualidade, da Casa do Benfica de Fafe, que dista apenas umas dezenas de metros do estabelecimento de restauração propriedade do seu pai;
4-Enquanto árbitro, Jorge Ferreira, não é nem e nem pode ser adepto de nenhum clube;

5-Jorge Ferreira repudia de forma veemente todas as declarações prestadas nos órgãos de comunicação social, pelos comentadores que levianamente se referem à sua pessoa, sem o conhecerem e fazendo afirmações falsas, que de forma evidente contribuíram para o episódio do dia de ontem e que podem continuar a contribuir para a degradação do futebol nacional;

6-É momento de "calarem" aqueles que usam os órgãos de comunicação social para nos "brindarem" com os vergonhosos espectáculos de insultos, de falsidades e de poucas vergonhas, que vão transmitindo aos mais jovens sentimentos perversos, que têm que ser combatidos;

7-É também momento, para que os clubes de uma forma séria, digam de uma vez por todas se concordam com o comportamento dos elementos que compõem as suas claques, que recorrentemente ameaçam e tentam coagir, árbitros de futebol, onde Jorge Ferreira se inclui;

8-Relativamente a uns e a outros, Jorge Ferreira, nos próximos dias, conjuntamente com os seus advogados, irá ponderar o comportamento a adoptar, designadamente se vai recorrer à via judicial, para defender a sua integridade física, a sua honra, a sua dignidade e a sua carreira profissional, de que tanto gosta e pela qual diariamente luta;

9-Reafirma a todos que sempre desempenhará as suas funções como árbitro, com o maior zelo e diligência que lhe for possível, e que nunca agirá com o intuito de prejudicar qualquer que seja o clube;

10-Por fim, Jorge Ferreira, acredita que este clima irá naturalmente desanuviar-se, se todos, mas todos os que amam o futebol e o desporto em geral, deixarem de pactuar (mesmo quando o seu clube está em causa), com formas provocatórias e difamatórias, que a ninguém servem.

11-Haja coragem para acabar com a maledicência, que se tem tornado um "vício" sobretudo televisivo. Coloquem gente respeitadora e educada a comentar o futebol, como colocam quando se trata de outros assuntos."

Jorge Ferreira acabou por não apresentar queixa junto das autoridades policiais.

Por António Varela
10
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Arbitragem

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.