Chico Chen, cedido pelo Cova da Piedade ao Hebei, naturaliza-se chinês

Defesa alinha no Hebei por empréstimo do Cova da Piedade

• Foto: DR Record

Chico Chen, que alinha nos chineses do Hebei por empréstimo do Cova da Piedade, abdicou da nacionalidade portuguesa para se naturalizar chinês, noticiou esta segunda-feira a imprensa local.

Nascido e criado em Portugal, Francisco Jiayu Chen, filho de emigrantes chineses, tem 27 anos e rumou ao Hebei, da Superliga chinesa, após ter disputados dois encontros pela formação almadense, que disputa a 2.ª Liga.

De acordo com a imprensa desportiva chinesa, o defesa é filho de um professor chinês emigrado em Portugal e teve de abdicar da nacionalidade portuguesa, uma vez que a China não reconhece a dupla cidadania.

Com a mudança de nacionalidade, Chico Chen pode ser convocado para a seleção chinesa, mas também contornar o limite de estrangeiros nos jogos da Superliga, que é de três em simultâneo por equipa.

Chico Chen é o segundo futebolista nascido em Portugal a naturalizar-se chinês, depois de, em 2019, Pedro Delgado, internacional português no escalão sub-21 formado no Sporting, se ter tornado no primeiro caso de naturalização sem ascendência chinesa.

A cidadania da China é baseada no princípio 'jus sanguinis' (direito de sangue), podendo ser reconhecida de acordo com a ascendência do indivíduo, pelo que foi então inédito o caso do atleta do Shandong Luneng, clube ao qual chegou depois de ter cumprido a formação entre Portimonense e Sporting e de ter alinhado no Inter Milão.

Nos últimos anos, visando alargar o número de talentos disponíveis para alinhar pela seleção chinesa, o país asiático permitiu a naturalização de vários atletas. Os primeiros foram Nico Yennaris, cipriota e de origem chinesa, e Tyias Browning, inglês com ascendência chinesa.

O avançado Elkeson tornou-se no primeiro brasileiro a naturalizar-se chinês e já chegou à seleção da China, tal como Aloísio dos Santos Gonçalves, enquanto os seus compatriotas Alan Carvalho, Ricardo Goulart e Fernandinho aguardam a primeira chamada.

A inédita abertura da China à naturalização de cidadãos estrangeiros coincide com o desejo de Pequim converter o país numa potência futebolística à altura do seu poder económico e militar.

O 'sonho chinês' para o futebol, anunciado pelo presidente Xi Jinping, passa por três etapas: qualificar-se para a fase final de um Mundial, organizar um Mundial e vencê-lo, em meados deste século.

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Futebol

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.