São Pedro da Cova vai ser despejado segunda-feira do estádio onde vivem quatro jogadores

Clube de Gondomar está no topo da classificação da Distrital do Porto

O início de época parecia estar a ser de sonho para o São Pedro da Cova. O clube venceu os primeiros quatro jogos na distrital do Porto - Divisão de Elite - Pro-nacional Série 2 - e está no topo da tabela, em igualdade pontual com o Rebordosa e com o Vilarinho. 

Fora do relvado a situação é o oposto e só nos últimos dias os adeptos do emblema de Gondomar tiveram conhecimento do verdadeiro drama: o clube vai ser despejado do Estádio das Laranjeiras, local onde tem todos os equipamentos e onde vivem quatro jogadores do plantel. 

Os brasileiros Carlinhos, Gustavo e Ruan, e o colombiano Braian, estão em risco de ficar sem sítio para morar a partir de segunda-feira. A confirmar-se esta situação, ninguém sabe para onde vão até porque a direção do clube tem uma última esperança de reverter a situação.

Falta explicar como se chegou a este ponto. Em causa estão dividas do antigo emblema da terra, a Associação Desportiva de São Pedro da Cova, agora inativa, que em 2014 cedeu o Estádio das Laranjeiras ao novo Clube Desportivo, em regime de comodato [uma cedência de forma gratuita] e durante 10 anos, ou seja, até 2024. 

O atual clube, liderado por Orlando Richa, antigo jogador, nunca recebeu notificações de dívidas da Associação Desportiva, nem sequer correspondência. Logo, não podia pagar dívidas do antigo clube. De repente, foi confrontado com a atual situação.

"O presidente da Associação Desportiva, Carlos Alberto Rodrigues, tratou nas finanças um plano de pagamento das dívidas mas depois nem a primeira prestação pagou. Resultado, o estádio foi para hasta publica e surgiu uma empresa de construções de Viana do Castelo, de nome Pires & Pires, que comprou por 75 mil euros mais as dívidas da Associação Desportiva", começa por explicar Orlando Rocha a Record.

O atual presidente acredita que ainda vai ser possível o São Pedro da Cova ficar no Estádio. "Desde ontem, quando se começou a saber que vamos ser despejados na segunda-feira, recebemos telefonemas de empresas aqui de São Pedro da Cova dispostas a comprar à empresa Pires & Pires. Essa comprou, tanto quanto sabemos, com intuito de construir habitações nestes terrenos mas como o PDM não o permite, admite vender", conta o presidente.

Ainda assim, o clube vive numa luta contra o tempo. "Já pedimos ao senhor Pires, dono dessa empresa, para nos deixar ficar mais um mês ou dois, até porque ele comprou os terrenos e não todos os equipamentos e maquinarias do clube, que não conseguimos tirar de um dia para o outro. Amanhã, vou a casa dele com um potencial comprador e espero que se consiga fechar o negócio para continuarmos no nosso estádio", revela o líder do clube.

Caso não se confirme a venda, o pior cenário vai acontecer na segunda-feira, com as finanças a entregarem o Estádio das Laranjeiras ao novo dono. Nesse caso, os quatro jogadores vão ficar sem casa, situação que o presidente Orlando Rocha nem quer acreditar. "Caso isso se confirme, e espero que não, nem temos um plano B. Teremos de alugar uma casa para eles viverem mas nesta situação da pandemia nem sei o que será possível neste momento. Em relação aos jogos, a Câmara Municipal de Gondomar vai-nos deixar jogar no Estádio de Valbom, onde já treinamos duas vezes por semana."

Por Miguel Amaro
1
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Futebol

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.