Miguel Leal: «Temos de ter mais cabeça»

Técnico arouquense aponta a “quebrar o ciclo” negativo em Famalicão

• Foto: Hugo Monteiro
PUB

Depois da entrada vitoriosa em Penafiel, o Arouca soma duas derrotas consecutivas na sequência dos desaires frente a Benfica B e Ac. Viseu, ambos em jogos onde os arouquenses até estiveram em vantagem. O treinador Miguel Leal vê na partida deste domingo em Famalicão mais uma oportunidade de crescimento para o grupo.

"Espero um jogo equilibrado, difícil, o Famalicão parece-me uma equipa mais forte do que quando lá fomos para a Allianz Cup. Vamos ter de saber gerir o equilíbrio, ter mais cabeça, é isso que nos jogos equilibrados pode ser decisivo, quem comete mais erros perde e temos de ter mais atenção nesse aspeto", indicou o técnico dos nortenhos.

Reconhecido por ser um técnico que promove bons desempenhos defensivos nas suas equipas, Miguel Leal não se preocupa demasiado com os seis golos já sofridos até este momento, o que, no seu entender, é sintoma de inexperiência.

"O número de golos sofridos não me preocupa muito porque têm sido sofridos em determinados momentos do jogo. Acho que tem a ver com o aspeto emocional. Ainda no domingo, o facto de termos sofrido o auto-golo modificou a equipa. Isso tem a ver com a inexperiência. Nós não sabemos gerir o resultado. Ainda esta semana vimos o jogo todo com o Ac. Viseu para percebermos os erros cometidos", contou.

Quanto à estratégia a adotar na deslocação ao Minho, Leal mostrou algumas reservas na sua resposta: "Vamos ver. Amanhã o Arouca vai adotar uma estratégia diferente. O adversário também está diferente. Refiro-me à ideia de jogo. Ainda estou a conhecer os jogadores, sobretudo emocionalmente. Este plantel é muito equilibrado em termos de valores. Isso vai permitir-nos chegar ao último terço do campeonato muito mais frescos."

Questionado sobre se o atual momento menos bom mexeu no orgulho dos seus jogadores, Miguel Leal frisou a importância de "quebrar o ciclo", mas assevera que continua a ver máximo empenho nos treinos. "Admito que as derrotas possam ter mexido com os jogadores e é importante quebrar já este ciclo, diga-se já em primeira mão, mas em termos de trabalho e do ponto de vista anímico, continuamos empenhados, a trabalhar, muito competitivos, e isso é um sinal muito positivo para o treinador de que as coisas vão mudar.

A paragem do campeonato também vai ser importante para nós melhorarmos alguns aspetos", analisou, antes de lançar um repto interno…."No ano passado ultrapassámos os 500 minutos consecutivos sem sofrer golos? Este ano vamos ter de superar esse registo. Não sei quando, mas vamos ter de superar!"

Com o mercado já fechado, Miguel Leal salientou o seu agrado com o plantel que tem à disposição, bem como com o mais recente reforço arouquense, o ponta-de-lança venezuelano, Manuel Arteaga, que chegou esta semana e treinou pela primeira vez na sexta-feira. "Sim, já estava satisfeito com o plantel antes do mercado fechar. Quando vem alguém para acrescentar qualidade, é sempre bem-vindo. Tenho um grupo muito bom. O Arteaga foi uma oportunidade de última hora, que aprovámos, foi contratado porque apresentava bons índices de eficácia nos momentos de finalização e também porque precisávamos, claro", concluiu o treinador do Arouca.

Indisponíveis para este jogo estão o avançado Heliardo, ainda a recuperar de uma lesão no joelho e o lateral-direito João Amorim, caso clínico desta semana. Nesse caso, tudo indica que o brasileiro Thales continuará titular no lado direito da defesa.

Por Ruben Tavares
Deixe o seu comentário
PUB