José Mota aponta ao árbitro: «Existiu uma dualidade de critérios gritante»

Técnico do Feirense diz que o encontro com o Chaves foi repartido e aceita o empate como um resultado justo

• Foto: Pedro Ferreira

José Mota considera que o empate conquistado esta segunda-feira pelo Feirense no terreno do Desportivo de Chaves "foi justo", em virtude do encontro ter sido dividido, com o visitante melhor na primeira parte e os donos da casa mais fortes na segunda.

"Foi uma primeira parte em que esteve melhor o Feirense. Esteve mais organizado, com mais bola, mais tranquilo e dispôs de melhores oportunidades de golo. Quando assim é, acho que terminar a primeira parte a vencer era um prémio justo para o Feirense", analisou o técnico da equipa de Santa Maria da Feira, admitindo que, com o intervalo, tudo mudou. 

"Na segunda parte esteve melhor o Chaves. Com a entrada do William, jogou um futebol muito direto, muito musculado, bola muito pelo ar, muitos cruzamentos, muitas referências ao nível da área e, aí, o futebol começa a complicar para os adversários, nomeadamente nas marcações, e o Chaves acabou, nesse período, por justificar o empate", admitiu José Mota, que acabou "por ficar satisfeito por um ponto". 

Relacionadas


Após elogiar a "excelente exibição" do guarda-redes Vaná, que "está lá para defender", o técnico do Feirense alinhou algumas críticas, ainda que dissimuladas, à equipa de arbitragem.

"Não nos deixaram passar do meio-campo. Muitas faltas, muitos cartões amarelos, os meus jogadores não conseguiram ter bola. Muitos livres contra o Feirense, muitas entradas e, algumas delas, feias por parte de um ou outro jogador do Chaves e nem livre existiu. Isso fez com que o Feirense recuasse as suas linhas e as situações começaram a ser criadas aí nessa zona do terreno", disparou Mota, atacando depois de forma mais decidida.

"Como existiu uma dualidade de critérios gritante, acabámos por ser penalizados, o Chaves não tem culpa disso, mas não gostei da arbitragem e como nos obrigou a recuar fez com que o Chaves tivesse um ascendente e fosse melhor", acrescentou, terminando com mais uma queixa sobre a ação disciplinar.

"O árbitro fez recuar o Feirense, foram muitas faltas, eram faltas em tudo que eram zonas do terreno, até quando conseguimos passar do meio-campo existiam este tipo de situações, depois foi a dualidade de cartões amarelos, toda a equipa teve cartão amarelo", concluiu o treinador do Feirense.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Feirense

Notícias

Notícias Mais Vistas