A Comissão de Instrutores da Liga deve propor em breve ao Conselho de Disciplina da FPF a punição do Santa Clara, que pode vir a perder pontos e daí decorrerem alterações à classificação com reflexos nas subidas e descidas. Isto na sequência das queixas apresentadas pelo U. Madeira, Gil Vicente e Varzim por alegado incumprimento por parte dos açorianos do artigo 77º-A, alínea b), ponto 1, do Regulamento de Competições da Liga, que obriga à utilização de três jogadores formados localmente e três jogadores até aos 23 anos, nos jogos das jornadas 25, 26 e 27 da 2ª Liga.

O regulamento é claro. Caso a infração seja praticada "de forma dolosa, reincidente ou numa das últimas três jornadas", o castigo pode passar por "sanções de derrota e subtração de pontos a fixar entre o mínimo de dois e o máximo de cinco pontos". No caso do U. Madeira, por exemplo, perdeu (0-1) com o Santa Clara e se lhe for dada razão na queixa poderá reaver pontos preciosos para evitar a descida, condenando nesse caso o Sp. Braga B. Quanto ao topo, é o Ac. Viseu (3º classificado) a seguir o dossiê com toda a atenção já que terminou a escassos dois pontos e qualquer castigo ao Santa Clara pode abrir espaço a mexidas.

Mas o clube mais ativo nestas matérias disciplinares tem sido mesmo o União, que também protestou junto da FPF alegando que o Santa Clara deixou de cumprir em janeiro – devido às alterações na reabertura do mercado – a obrigação de ter cinco jogadores sub-23 inscritos no plantel.

Autor: Nuno Miguel Ferreira