110 credores da SAD do Aves reclamam mais de 17 milhões de euros

Estrela Costa, Nuno Manta Santos e Augusto Inácio são alguns dos nomes que compõem a lista

A SAD do Aves continua a procurar a melhor solução para competir no Campeonato de Portugal, sendo que o Processo Especial de Revitalização (PER) da SAD conta com 110 credores, num total de 17 123 051, 31 euros reclamados. Na lista de credores encontram-se vários jogadores que representaram o Aves nas duas últimas temporadas, treinadores, dirigentes, empresas, a Autoridade Tributária e o Instituto de Segurança Social, entre outros. O processo pode ser consultado no portal 'Citius'.

O valor mais alto é reclamado pela Galaxy Believers, empresa que detém a maioria do capital da SAD e que tem a receber 4 645 033 euros. Por seu lado, o Aves (clube) é credor em mais de 800 mil euros, por "cedência temporária de ativos, despesas com jogos de juniores/sub23/futsal, Fundo de Solidariedade da UEFA e despesas com os dois últimos jogos [da I Liga]". Estrela Costa tem a receber cerca de 150 mil euros por "adiantamento de despesas" e Tânia Inácio, filha de Augusto Inácio e ex-funcionária da SAD, reclama um valor a rondar os oito mil euros.

Enquanto a Autoridade Tributária é credora em 2 558 112,76 euros, o Instituto de Segurança Social reclama 567 217,02 euros. A nível de treinadores, Lito Vidigal tem a receber 341 347,89 euros e Nuno Manta Santos pede 524 923,70 euros. 

Recorde-se que o Aves SAD foi despromovido ao Campeonato de Portugal depois de não ter cumprido os pressupostos financeiros necessários para a inscrição nas competições profissionais. O clube já inscreveu uma equipa na última divisão distrital do Associação de Futebol do Porto.

Por Diogo Matos
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Aves

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.