Pedro Proença diz que centralização dos direitos é tema que não está fechado

Entrevista à agência EFE

• Foto: Lusa

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, ainda espera conseguir a negociação centralizada dos direitos televisivos, apesar de vários clubes terem chegado a acordos individuais.

Em entrevista à agência EFE, o presidente da LPFP, no cargo desde julho de 2015, admitiu que uma das grandes deceções do seu mandato foi não conseguir a venda centralizada dos direitos televisivos, mas entende que o tema ainda não está encerrado.

"Toda a gente sabe que o modelo que defendo (...) é a negociação centralizada dos direitos. Nada está fechado, tudo é possível e espero que neste mandato tenhamos novidades sobre o assunto", afirmou o presidente da LPFP.

Segundo Pedro Proença, o caminho seria fazer "o que outras ligas já fizeram, com muito êxito".

Em dezembro de 2015, os três 'grandes' anunciaram acordos com operadoras: Benfica e Sporting com a NOS e FC Porto com a Meo.

O Benfica chegou a acordo com a NOS a 02 de dezembro, firmando um contrato que entra em vigor na época desportiva 2016/2017 e com uma duração inicial de três anos, podendo ser renovado por decisão de qualquer das partes até perfazer um total de 10 épocas desportivas, a troco de 400 milhões de euros.

No final de dezembro, também o Sporting anunciou ter chegado a acordo com a NOS, num negócio que incluiu direitos e outras contrapartidas, que supera os 500 milhões de euros.

Já o FC Porto chegou a acordo com a PT Portugal, que detém a Meo. Tal como o negócio do Sporting, também o do FC Porto engloba outros 'itens' e está estimado em quase 458 milhões de euros.

Entretanto, outros clubes foram também formalizando acordos de cedência dos direitos televisivos.

Por Lusa
1
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Futebol Nacional

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.