«Agora fui eu que deitei o banco abaixo...»: recorde o que disse Vieira na comissão de inquérito ao Novo Banco

Líder do Benfica apresentou-se na qualidade de presidente do conselho de administração da Promovalor

Luís Filipe Vieira foi esta quarta-feira detido. A 10 de maio esteve na Assembleia da República no âmbito da comissão parlamentar de inquérito ao Novo Banco/Banco Espírito Santo. O presidente do Benfica, de 71 anos, apresentou-se na qualidade de presidente do conselho de administração da Promovalor, empresa que deve 181 milhões de euros à entidade bancária. Luís Filipe Vieira respondeu às questões dos deputados durante cinco horas. Recorde aqui tudo o que foi dito.

Ao Minuto

10.05.2021
Vieira no final da sessão: “Se isto for assim todos os dias um homem morre”

Está terminada a audição a Luís Filipe Vieira, no âmbito das perdas do Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução. Após Fernando Negrão, presidente da Comissão de Inquérito, dar por concluída a sessão, o presidente do Benfica agradeceu e pediu desculpas aos deputados presentes e, já de pé, desabafou: "Se isto for assim todos os dias um homem morre".

10.05.2021

Luís Filipe Vieira afirma que hoje em dia não tem negócios com o seu ex-sócio, Almerindo Duarte. Contudo, o presidente do Benfica assume que ambos mantêm boas relações pessoais.

10.05.2021
Siga em direto:

10.05.2021
Cotrim de Figueiredo 'confronta' Vieira com 3.º lugar do Benfica na liga

"Vou fazer-lhe a segunda pergunta que os portugueses mais querem saber. A primeira é como se gasta 100 milhões de euros numa época e se acaba em terceiro", afirmou João Cotrim de Figueiredo, deputado da Iniciativa Liberal, questionando em seguida Luís Filipe Vieira: "O que é que isto nos vai custar?", relativamente às dívidas da Promovalor ao Novo Banco.

10.05.2021

"Disse que a queda do BES foi como um elevador que cai. Caiu porque teve muita carga e muitos negócios com pouca sustentação", afirmou, a Luís Filipe Vieira, Duarte Alves, deputado do PCP.

10.05.2021
Projeto de Espanha vai gerar perda, assume Vieira

Um projeto imobiliário que estava previsto em Espanha vai gerar uma nova perda, confirmou Luís Filipe Vieira, embora não tenha adiantado qual o valor dessa perda

10.05.2021
Mariana Mortágua questiona Vieira sobre convites para a final da Champions em Wembley (2013)

"Houve uma delegação convidada para esse jogo. Delegação que tinha, entre outros, membros do governo do estado do Rio de Janeiro", disse a deputada. Num primeiro momento Vieira disse que não esteve presente, mas depois acabou por admitir: "dui com brasileiros, mas garanto que não são do governo".

A deputada do Bloco afirmou que chegaram a ser convidados três administradores do BES. "O convite está assinado por mim?", questionou o presidente do Benfica. "De certeza, quem pagou foi a empresa", acrescentou, depois de Mariana Mortágua dizer que o documento estava assinado por Almerindo Duarte, sócio de Vieira.

10.05.2021

Mariana Mortágua pergunta a Vieira se o Novo Banco terá de, "mais uma vez", tornar-se acionista da empresa do presidente do Benfica para reaver o valor em dívida. "É a única via que tem…" disse o dono da Promovalor.

10.05.2021
Vieira e o fundo Doyen: "Nunca tivemos interesse no modelo de negócio deles"

Luís Filipe Vieira foi confrontado por Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, sobre se alguma vez contactou com o fundo Doyen para entrada nos negócios da Promovalor no Brasil. "É uma falácia", disse Vieira. "Conhecia Nélio Lucas", indagou Mariana Mortágua. "Conhecia, do mundo do futebol. O Benfica comprou o Ola John, foi o único. Não tínhamos interesse no modelo de negócio deles".

A deputada afirmou estar na posse de um documento, da Promovalor, no qual é analisada a entrada da Doyen nos negócios de Vieira no Brasil.

10.05.2021
"Quem assinou esse contrato devia ser enforcado"

Confrontado pela deputada Fiipa Roseta, do PSD, relativamente o contrato da venda do Novo Banco com a LoneStar, Luís Filipe Vieira afirmou: "devia ser enforcado, uma pessoa que fez uma coisa destas. Assinar um contrato assim?". A deputada lembrou o empresário que foi Mário Centeno a fazê-lo, quando era ministro das Finanças - é agora Governador do Banco de Portugal. 

10.05.2021

João Paulo Correia diz que o Novo Banco não acredita que irá receber "nem um cêntimo" da dívida de cerca de 160 M€ da Promovalor, visto que os VMOCS (Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis) têm um juro de 5%.

10.05.2021
"Novo Banco pediu-me para sair de Portugal"

"Foi o Novo Banco que me pediu para sair daqui, porque em Portugal estava tudo muito parado", diz Vieira, na resposta à primeira questão de João Paulo Correia, deputado do Partido Socialista, relativa aos investimentos realizados no Brasil e em Moçambique. 

O deputado lembrou que o grupo Promovalor estava já "extremamente endividado" e andava "de reestruturação em reestruturação". Vieira disse que Moçambique era um "mercado muito atrativo" e que no Brasil "havia grandes hipóteses".

10.05.2021
"Levei uma pancada muito forte"

João Cotrim Figueiredo confrontou Vieira com as propostas que foram feitas ao Novo Banco após a queda do BES, relativamente às dívidas das empresas do empresário. Vieira disse que em finais de 2014, inícios de 2015 levou "uma pancada muito forte".

O dono da Promovalor lembra uma reunião em que lhe foi transmitido que a maior parte dos projetos não poderia manter-se sob financiamento. Apenas um "em Maputo". 

10.05.2021
Começa a inquirição de João Cotrim de Figueiredo

Sessão retoma após pausa. João Cotrim de Figueiredo, deputado da Iniciativa Liberal, inicia as suas questões a Luís Filipe Vieira. 

10.05.2021
Termina inquirição de Cecília Meireles

Sessão tem pausa de 5 minutos e irá prosseguir com perguntas do deputado da Inicativa Liberal, João Cotrim de Figueiredo. 

10.05.2021
“Pagámos 162 milhões de euros de juros”

Cecília Meireles - "Houve tentativa de fazer outro tipo de reestruturação em 2015? Teve inúmeras baixas de juros e prorrogações de prazos..."

Vieira - "Doutora, nunca tive um perdão de juros. Baixar a taxa de juro, tinham de baixar. Pagámos 162 milhões de euros de juros".

10.05.2021
"Entre 10 a 15 anos banco vai reaver tudo”

Questionado por Cecília Meireles sobre se o Novo Banco "vai algum dia reaver tudo o que lhe emprestou", Vieira garante que "tem de haver prazos" e garante que "entre 10 a 15 anos [banco] vai reaver tudo".

Vieira questionou ainda se "alguma vez passou pela cabeça de alguém que aquilo [BES] ia cair". "A mim nunca passou, senão há coisas que eu nunca tinha feito", disse. 

10.05.2021
"Segundo maior devedor responsável pelas perdas"

"O senhor está aqui por ser o segundo maior devedor responsável pelas perdas. Da mesma forma que já á estiveram outros que eu não faço a mínima ideia se vêem ou não futebol", começa por sublinhar a deputada do CDS.

"Sou o segundo maior devedor do banco? Até me assusto. Agora fui eu que deitei o banco abaixo", diz Vieira.

10.05.2021
Inicia a inquirição Cecília Meireles
10.05.2021
Termina a inquirição do deputado do PCP
10.05.2021
Venda das ações do Benfica por parte do Novo Banco

Continua Duarte Alves...

- No mesmo ano da reestruturação da sua dívida o Novo Banco deixa de ter participação da Benfica SAD e vende os seus 8 por cento ao seu sócio.
- É uma ofensa ir por esse caminho. O Benfica é um clube sério, com os seus colaboradores e profissionais, tem aqui toda a evolução da dívida do Benfica...

Luís Filipe Vieira diz que todos se deviam orgulhar da posição financeira do Benfica, que é neste momento o "único clube português com património". "Há outros clubes que eu gostava de ver cá", refere.

"Estamos aqui para tratar de assuntos que não dizem respeito ao Benfica. Agradeço que deixemos o clube fora disto", avisa novamente Fernando Negrão.  

"Acho que o sr deputado não deve levantar essas supeições. Oh sr presidente, tenho a noção exata que estou aqui por ser presidente do Benfica", acvrescenta Vieira.

10.05.2021
Iates e aviões

Continua a fase de perguntas de Duarte Alves...

- Por que não negociou diretamente com o Novo Banco?
- Não tínhamos experiência nenhuma. esta reestruturação só foi boa para o banco, não tenham dúvidas. Se é para vender o pacote não ganham nada, se for para desenvolver podem ganhar muito.
- Como fez com a sua participação neste fundo?
- Fui eu, com dinheiro meu. Há gente a passear, têm iates, aviões, aos milhões... Quem tentou fazer contas e dá a cara, é que vem para interrogatório.

Fernando Negrão pede a identificação dessas pessoas e Vieira diz que é fácil identificá-las. 

10.05.2021
"Quais são as dúvidas?"

"Não sei quais são as dúvidas que vocês têm sobre esta reestruturação. Se estes ativos forem desenvolvidos no seu tempo normal recuperam tudo, é fazer contas, é simples", esclarece Vieira.

10.05.2021
Relação com Nuno Gaioso

Duarte Alves questiona Vieira.

- Não há uma sociedade que não tenha uma única reestruturação da dívida.
-É natural porque a partir de 2008 começaram os problemas todos, mas não foi só o nosso grupo.
- Reestruturação de 2017, qual era a sua relação com Nunon Gaioso Ribeiro.
- Conheci através do meu filho, num almoço. Falei com ele diversas vezes, frequentava o Centro de Estágios do Benfica porque tinha um jogo a jogar futebol, é um grande benfiquista. Quando me candidatei propus-lhe ficar na direção, é uma pessoa com uma grande capacidade. Foi assim que o conheci. Em relação à situação do BES, foi a primeira pessoa com quem falei depois do que aconteceu ao banco. Foi um baque muito forte e ele disse-me 'tem calma, a empresa de certeza tem ativos'. Falou com os quadros da nossa empresa, do banco e foi a partir daí que nasceu a reestruturação da dívida. O Nuno, além de meu amigo, é uma pessoa conceituada.
- Estamos a falar de uma dívida na altura de 230 milhões. Conhecia o sr Nuno Gaioso pela ligação que tinham na direção do Benfica, sendo seu vice-presidente. Contactou com mais alguma entidade para estudar soluções para esta dívida?
- A opção era do banco. 
- A Promovalor contacta a Capital Criativo, do Nuno Gaioso, e foi encontrada a solução. Não achou que o seu filho ser sócio da Capital Criativo podia haver incompatibilidade?
- A incompatibilidade às vezes é complicado. Mas foi o próprio banco que pediu para não ter ninguém da Promovalor neste processo. O meu filho entrou na empresa para ficar com a parte do imobiliário, que não chegou a avançar, mas ele era administrador, acho que até nem recebia por isso.
- Por que valor foi vendida a participação do seu filho na Capital Criativo?
- O meu filho é que sabe.

10.05.2021
Inicia a inquirição Duarte Alves

Vieira vai agora ser inquirido por Duarte Alves, deputado do PCP.

10.05.2021
Termina a inquirição de Mariana Mortágua
10.05.2021
Ações do Benfica

Continua Mariana Mortágua...

- José Antonio Santos aparece para oferecer 10 milhões numa dívida que é sua? 

- Comprou através de um fundo que apareceu lá. Eu disse ao banco para reestruturar a Imosteps e fui confrontado com esse célebre fundo. 
- Um seu sócio comprou uma dívida sua a alguém que a tinha comprado ao Novo Banco...
- Era um grande negócio.
- Também disse ao seu sócio que a SAD do Benfica tinha ações à venda?
- Comprou. Sabe o que ele me disse? 'Enquanto estiveres aí vai ser rentável'. Eu nem sabia que ele tinha comprado.

10.05.2021
Fernando Negrão intervém e avisa Vieira

Mariana Mortágua questiona Vieira:

- Novo Banco fala ao Banco de Portugal uma transferência de 8 milhões.
- Nunca levantei um tostão para mim. Nem nenhuma empresa passou dinheiro para mim.
- Esse dinheiro foi para a Promovalor?
- Vamos trazer as respostas. Não sei o que aconteceu a esse dinheiro.

O presidente da comissão, Fernando Negrão, intervém. "Até na sua defesa e da sua imagem, não podemos continuar nesta ausência de respostas e "eu vou responder por escrito". Peço-lhe que faça o maior esforço possível para responder de forma clara e objetiva."

10.05.2021
Mariana Mortágua inquire Vieira

Mariana Mortágua, do BE inquire Luís Filipe Vieira.

- Pareceres internos do fundo de resolução dizem que tem apenas uma casa com destino a palheiro.
- Não é verdade. O banco nunca tentou executar. Volto a frisar que não estou em incumprimeto com o BES nem com ninguém. Não é esse o patroimónio que tenho.
- Qual é o valor?
- Não sei qual é necessidade de ter de dizer isto.
- O seu património é dado como aval, mas parece que o único bem em seu nome é uma casa para palheiro.
- Posso dizer que tenho património e que não moro aí.
- Calculo que não more numa casa para palheiro...
- Essa informação não é verdadeira. Tenho mais do que uma casa. Mas não estou a dizer o que é meu ou da minha família porque não tenho nenhuma incompatibilidade com o Novo Banco. O plano que está feito para a resolução do meu caso chega e sobra.
- Nunca fizeram o levantamento do seu património?
-Não. Tenho 42 anos de empresário nunca tive um incumprimentro com ninguém ou com banco algum. Fui apanhado de surpresa, é como entrar num elevador e cair. 
- Não recebe da Imospts, a Promovalor não dá lucro desde 2008 e não recebe do Benfica. Do que vive?
- Tenho outros negócios, uma boa reforma, vivo bem. Ainda agora fui reforçar a conta com 2 milhões e tal de euros que recebi do fisco. Tenho algumas sociedade com algumas pessoas.
- Não estão penhoradas ao Novo Banco?
- Não. Sra deputada, tem de ir falar com o Novo Banco, não comigo.
- As vmoc são obrigações o sr deve ao banco 160 milhões de euros, que serão pagos com a reestruturação da dívida. Por que não pagou?
- Porque reestruturámos a dívida.

10.05.2021
Sem offshores

"Não tenho nem nunca constituí offshore", assegura Vieira.

O deputado diz que foram perdoados a Vieira 7,5 milhões de euros, mas o empresário responde que deve esse dinheiro ao banco. 

10.05.2021
Imosteps

Vieira explica agora a venda da Imosteps. "É ditida por um fundo que tem rosto", garante o empresário, assegurando não ter participação na empresa. 

"Foi vendida por 8 ou 9 milhões de euros, o Novo Banco ficou com esse dinheiro", acrescenta.

10.05.2021
Vieira fala em trauma

"O senhor deputado está a confundir uma coisa, as pessoas podem ser amigas... Isto é um trauma para mim. Depois da notícia que tive em dezembro de 2015... Isto é a mesma coisa que entrar num elevador e o elevador cair", explica Vieira, sobre o que sucedeu ao BES.

10.05.2021

Vieira explica agora a entrada da empresa no Brasil.

10.05.2021

Vieira é inquirido sobre as vmocs e aí o presidente do Benfica consulta o advogado. 

Entre 2014 e a criação do fundo quanto foi reembolsado ao Novo Banco?
"Nesse período reduzimos mas depois pedimos um novo financiamento, à volta de 5 milhões de euros para acabar uma obra, que aumentou a dívida para 387 milhões de euros. O banco tinha hipoteca sobre todos os imóveis."

Em 2011 fez uma reestruração da dívida.
"Tínhamos uns ativos para desenvolver faseadamente mas optámos por fazê-lo mais rapidamente. E fizemos um empréstimo obrigacionista de 160 milhões de euros, que é o valor das vmocs".

10.05.2021
Perguntas por escrito

Vieira confirma que a venda por 147 milhões de uma das empresas, mas não se recorda do valor ao certo.

"Neste fundo particpou também a Rio Forte?", pergunta o deputado.

Vieira quer estas perguntas por escrito, para responder depois. O presidente da comissão diz que tem de responder agora o que se lembrar.

10.05.2021
Começa a inquirição

O deputado do PSD, Hugo Carneiro, esclarece que Vieira não está a ser ouvido como presidente do Benfica, mas sim como empresário. E começa a fazer perguntas.

Qual a exposição total, de todas as empresas onde participava, ao BES e novo banco? 
"383,284 milhões de euros", responde Vieira
(o deputado discorda)

Qual a sua relação com Ricardo Espírito Santo?
"Aproximação mais perto com foi ele foi quando fizemos o estádio do Benfica. Só num jantar, se o encontrasse, mas isso não tem nada a ver com ele."


10.05.2021
Vieira acaba de falar
10.05.2021
Sem dívidas para com os contribuintes

"Não há qualquer perda para o Novo Banco nem para os contribuintes. O património entregue ao fundo paga o montante em dívida", garante Vieira.

O líder dos encarnados explica, também, que o filho deixou a administração da Promovalor. 

"Tenho sido vítima de mentiras e calúnias no âmbito deste processo. (...) Tenho orgulho em ser presidente do Benfica, mas quem me disser que isto me trouxe benefícios empresariais, mente."

"Semptre dei a cara, nunca senti nem nunca pedi para ser privilegiado. Paguei os encargos e os juros que os bancos me pediram"

10.05.2021
Os milhões

Luís Filipe Vieira explica que a divída da Promovalor ao Novo Banco "era de 227 milhões de euros". Tudo pago com a entrega do património da empresa ao banco, explica o presidente do Benfica. "Saldei tudo o que me foi solicitado".

10.05.2021
"Sem perdão de dívida"

"O grupo procedeu à entrega dos seus ativos para pagamento da totalidade das dívidas que tinha com o banco. Outros viram perdoadas dúvidas, mas não aconteceu comigo, nem com o grupo Promovalor", garante Vieira.

"É fácil para muita gente colocar o presidente do Benfica como um dos grandes devedores do Novo Banco. (...) Não tive nenhum perdão de capital ou de juros, nem eu nem o grupo", afiança.

"Em setembro de 2017 o grupo celebrou um acordo de transferência do seu património a um fundo do Novo Banco (...) que permitia pagar a totalidade do valor devido pela Promovalor ao Novo Banco."

10.05.2021
Expansão do grupo Promovalor

"A partir de 2007 fui acompanhando o grupo Promovalor, continuei a contar com o apoio dos bancos. O grupo investiu em Portugal, Espanha, Brasil e Moçambique, isto está documentado", explica Vieira.

"O grupo pagou mais de 161 milhões de euros ao Novo Banco. Pagou"

"À crise de 2008/09 seguiu-se a crise de 2011. O grupo a partir daí procurou novos mercados no estrangeiro e inicou uma estratégia de desinvestimento em Portugal, a pedido dos bancos", sublinha Vieira, enumerando depois os projetos.

10.05.2021
Vieira começa a falar

Luís Filipe Vieira pede para fazer uma introdução e lê um discurso pré-preparado.

Vieira recorda a sua vida pessoal e profissional, diz que começou a trabalhar aos 14 anos e como se tornou empresário. "O BES e o BCP apoiaram-me na minha vida profissional", recorda. "A minha vida não foi criada com o BES ou com a minha vinda para o Benfica". Na altura, já era um empresário de renome da área dos pneus e do imobiliário."

O líder do Benfica explica como chegou ao leme dos encarnados. "A gestão do Benfica tornou-se absorvente e vi-me forçado profissionalizar as minhas empresas, com a criação do Grupo Promovalor, com 35 milhões de euros, não foi dinheiro dos bancos. Era dinheiro meu."

10.05.2021
Vieira chega à comissão

Luís Filipe Vieira já está presente diante da comissão. Deve começar a ser ouvido dentro de instantes.

10.05.2021
Rui Pinto atento e ativo na véspera

Quem assinalou a audição foi o conhecido pirata informático Rui Pinto. "Desejo encarecidamente que não padeça de qualquer problema de saúde até ao final do dia de amanhã [hoje]. [...] Terá muito para explicar", publicou, nas redes sociais.

10.05.2021

Luís Filipe Vieira marca presença, a partir das 15h00, na Assembleia da República, para responder aos deputados no âmbito da comissão parlamentar de inquérito ao Novo Banco/Banco Espírito Santo. O presidente do Benfica, de 71 anos, apresenta-se na qualidade de presidente do conselho de administração da Promovalor, empresa que deve 181 milhões de euros à entidade bancária. Este montante, o segundo mais alto depois dos 274 milhões do grupo Moniz da Maia, é suportado pelos contribuintes portugueses por via do Acordo de Capital Contingente.

Por Record
261
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Benfica

Notícias

Notícias Mais Vistas